TwitterFacebookGoogle+

Produção cultural brasileira: dificuldade e resistência

sala-preta-1

No dia 15 de setembro deste ano, a morte do ator Domingos Montagner, protagonista da novela Velho Chico, da TV Globo, comoveu o Brasil. Muito antes de fazer televisão, ele fez carreira no teatro e no circo, atuando como palhaço, mas só obteve grande reconhecimento quando alcançou projeção nacional na novela global Cordel Encantado, em 2011.

A morte de um ator com essa trajetória nos leva a questionar o total esquecimento em que vivem os artistas à margem da produção televisiva. Questões de ordem econômica, política e social se entrelaçam para tornar difícil a produção cultural e, consequentemente, a formação do público para essas produções.

De um ponto de vista econômico, a televisão ainda é o campo mais seguro para aqueles que optam por trabalhar com artes dramáticas. Com a expansão do acesso à internet, muitas pessoas podem divulgar seus trabalhos e se tornar conhecidas de uma parte do público. Entretanto, se antes as peças teatrais de maior sucesso eram aquelas em cujos elencos constavam atores televisivos, hoje estes foram substituídos por webcelebridades. O que, obviamente, não é suficiente para se julgar o valor artístico de uma peça, mas influencia na formação do público e afeta aqueles que não são famosos.

Outro fator problemático é que o ingresso para teatro e cinema ainda tem um preço alto para a grande maioria do povo, que sobrevive com uma renda média mensal de um a dois salários mínimos. Como dizia Brecht: “o acesso à cultura está ligado ao poder”, e não é por acaso o preço dos ingressos e as dificuldades burocráticas e financeiras que enfrentam aqueles que tentam fazer uma arte para o povo. Uma peça de teatro de rua tem que superar obstáculos, como a licitação para apresentação em espaço aberto, o que impede que a peça circule em determinados locais. Uma peça cujo mote é a luta de classes dificilmente teria permissão para ser apresentada em uma área que abrigue grandes centros financeiros; enfrentaria dificuldades que peças com outras temáticas não enfrentam. Apresentações na rua incomodam o Estado burguês: vide o caso do palhaço Tico Bonito, detido no ano passado em Cascavel, no Paraná, por criticar o governador Beto Richa pela repressão aos professores.

No Brasil, a produção cultural não consegue se sustentar “por si só” e fica à mercê do financiamento da iniciativa privada ou da abertura de editais de empresas estatais. A polêmica Lei Rouanet é um processo burocrático no qual o proponente deve apresentar um projeto e o Ministério da Cultura deve decidir se ele está apto ou não para a captação de recursos. Uma vez aprovado o projeto, o proponente tem um tempo determinado para recolher esses recursos em empresas, o que significa que são aqueles que detêm o poder econômico que decidirão o que será produzido no campo cultural. Ter o projeto aprovado pelo MinC (ou qualquer outro edital, seja municipal ou estadual, que funcione de modo semelhante) não garante sua realização. Um exemplo disso é o que está acontecendo com Wagner Moura, que pretende realizar um filme sobre o revolucionário Carlos Marighella, e declarou não estar conseguindo captar recursos.

Além dos empecilhos burocráticos e econômicos, a produção cultural precisa lidar também com a formação do público. As novelas, os programas de humor e os filmes exibidos nos grandes meios de comunicação atuam sobre o consumo cultural da população. Isso, claro, é consequência de todos os obstáculos que o Estado coloca para a democratização da arte, impedindo que as classes populares tenham acesso a formas variadas de produção teatral e cinematográfica. Não significa que aquela parcela da população não possa vir a se interessar por distintas produções. Pelo contrário, a questão é justamente que teatro e cinema não estão entre os produtos consumidos pela maioria devido àqueles obstáculos impostos ao acesso e à produção de espetáculos.

A Lei Rouanet tentou resolver parte disso colocando como requisito que o proponente cumpra com medidas de democratização, como, por exemplo, distribuir uma porcentagem de ingressos para alunos de escolas públicas. Entretanto, isso é muito pouco quando o problema está na forma como a produção cultural acontece, quando artistas independentes são, muitas vezes, impedidos de realizar seus projetos (ou precisam modificá-los até ficarem de acordo com o que a empresa patrocinadora quer).

Importante ressaltar que o patrocínio não está relacionado com a qualidade artística de determinada obra. O grande acesso das classes alta e média a produtos culturais também não significa que eles sejam de qualidade. A arte, tornada produto, entra na lógica de mercado. Não por acaso vemos os cinemas de rua se acabando e salas de cinema pertencentes a redes mundiais se concentrando em shoppings centers: as salas passam a se localizar onde há uma enorme rede de lojas porque o objetivo é que as pessoas consumam cada vez mais.

O teatro e o cinema são políticos mesmo quando não pretendem ser. A formação dos produtores, a burocracia, a forma de incentivo da produção cultural, os locais em que os espetáculos são apresentados, o público que visam atingir, tudo isso é questão política. A falta de acesso das classes populares se relaciona com a falta de incentivo aos artistas independentes, que geralmente são originários daquelas.

Ainda assim, com todas as dificuldades, os artistas independentes resistem. Que esses trabalhadores da arte sejam valorizados e respeitados tanto quanto os conhecidos pelo grande público.

Carolyne Dornelles Melo é produtora teatral no Paraná

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
601

1 comment

  1. felipe

    oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações