TwitterFacebookGoogle+

Senegalês é criminalizado por trabalhar em Santa Catarina


Crédito foto: Foto: Marcos Bruno (CBN/Diário – 2019)

A prefeitura de Florianópolis, junto com a Guarda Civil Municipal, têm realizado uma força tarefa contra os trabalhadores ambulantes do centro da cidade. Uma grande quantidade de guardas e de agentes fiscais, rondam as ruas  com a intenção de coagir, perseguir e confiscar as mercadorias dos trabalhadores.

A maioria desses trabalhadores é de imigrantes haitianos e de países africanos, que são alvos da maior repressão por parte da Guarda Civil. No último sábado, 13 de abril, dez guardas prenderam  Ousmane Hanne, 33 anos, imigrante senegalês, pelo simples fato de estar trabalhando, vendendo suas mercadorias.

Ousmane foi imobilizado e levado com a acusação de desacato à autoridade, mesmo sob a pressão popular que o defendia e denunciava a ação arbitrária da GCM. Os guardas municipais o levaram para a delegacia, onde ficou preso até domingo, após audiência de custódia.

A não aceitação da população negra nos espaços públicos do centro da cidade, por parte do Estado, demonstra que essa ação é racista e xenofóbica.

Toda solidariedade a Ousmane Hanne e a toda comunidade imigrante. Todos enfrentam diariamente as dificuldades de serem imigrantes negros num país racista como o Brasil.

Unidade Popular – Florianópolis


Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações