TwitterFacebookGoogle+

O destino deles e o nosso

Marielle Franco

A derrota das forças conservadoras, dos adoradores da ignorância, é sempre inevitável, apesar da violência, da ideologia reacionária e da perseguição.

Vejamos:

A elite ateniense prendeu e condenou o filósofo Sócrates a morte. Acusaram-no de corromper a juventude e desrespeitar os deuses, quando na verdade ele apenas ensinava, a quem encontrasse pelo caminho, a superar as aparências e alcançar a essência, a razão.

Mataram Sócrates, mas isso impediu o desenvolvimento da filosofia e da razão? Não. Pelo contrário, Sócrates dividiu a história da filosofia e não há um só lugar que não tenha ouvido falar o seu nome.

O Império Romano prendeu, torturou e assassinou Jesus na cruz. Fizeram acusações semelhantes as de Sócrates, quando o “crime” de Jesus foi defender o amor ao próximo e combater a hipocrisia. Pergunto: o cristianismo deixou de existir após a morte de Cristo? Não. É a maior religião do mundo, apesar das deturpações promovidas pelos falsos cristãos.

As monarquias e a Igreja Católica, que sabotaram o cristianismo para atender os interesses do poder feudal, perseguiram o filósofo Spinoza, que morreu na miséria. Prenderam, torturaram e queimaram em praça pública o filósofo Giordano Bruno. O motivo: eram contra as teses irracionais da Igreja.

Mas eles, Spinoza e Giordano, foram esquecidos? Jamais. A ciência provou a ligação material do universo, defendida por Spinoza, bem como os estudos indicam a infinitude do universo, defendida por Giordano.

Hitler e Mussoline queimaram os livros de filosofia, sociologia e humanidades de uma forma geral. Mataram opositores e milhões de judeus e estrangeiros, cometeram atrocidades contra os pobres. Porém, isso não impediu a derrota do nazi-fascismo.

As ditaduras militares na América Latina, inclusive no Brasil, repetiram o nazi-fascismo, mataram milhares, queimaram livros, perseguiram os que defendiam a liberdade, mas também foram derrotadas.

Onde estão os assassinos de Sócrates e Cristo, Spinoza e Giordano Bruno? Onde estão Hitler, Mussoline e os ditadores da América Latina?

Estão na lata do lixo da história, o único lugar possível para o conservadorismo, os fascistas, os inimigos da razão e adoradores da ignorância.

Todavia, Sócrates, Jesus, Spinoza, Giordano Bruno e todos e todas que lutaram contra o nazi-fascismo e as Ditaduras Militares, são heróis da humanidade, exemplos a seguir.

A glória do reconhecimento se expressa em suas vidas, moram no panteão dos grandes seres humanos, pois elevaram o patamar ético da humanidade ao defender a razão e a liberdade.

Se pudessem, os neofascistas, repetiriam o que fizeram os assassinos de Sócrates e Cristo, repetiriam a Inquisição, o nazi-fascismo e as Ditaduras Militares. Por isso perseguem a educação, perseguem a filosofia e a sociologia e matam aqueles que defendem a liberdade.

Mas a ignorância os cega. Mataram Marielle Franco, mas agora há milhares de Marielles em todo o Brasil. Do que adiantou? A luta dos negros e explorados está ainda mais forte, movida pelo sentimento de justiça por Marielle, que se tornou símbolo de razão, justiça e liberdade.

Os neofascistas, devido a burrice histórica, talvez não percebam, mas a lata do lixo da história também os espera. A presença deles no poder é o último suspiro antes da morte do capitalismo, esse sistema moribundo, promotor de miséria e desumanidade, é a última cartada possível das classes dominantes.

Eles podem perseguir a educação, a filosofia, torturar e matar os defensores da razão, os revolucionários, mas serão derrotados, pois, como ensinou Marx, não passam de farsa e tragédia.

A vitória, a glória e o futuro estão do lado dos que lutam por justiça, liberdade, razão e igualdade. Esse lado será vitorioso, pois é o lado da humanidade.

Magno Francisco, professor de filosofia, presidente da Unidade Popular-AL

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações