TwitterFacebookGoogle+

Governo federal declara apoio às prisões ilegais no Rio

10463883_750520204990581_8249735634594267248_nA decisão de prender, de maneira totalmente ilegal, na manhã do dia 12 de julho a vinte e seis ativistas sem nenhuma comprovação de atividade ilícita e de maneira preventiva, foi apoiada pelo governo federal. É o que declarou ontem à agência Estado o ministro da justiça, Eduardo Cardozo.

Cardozo declarou que confia nas alegações do Secretário de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro, José Beltrame, o mesmo que mantem livre os policiais que fizeram desaparecer Amarildo de Souza e os que assassinaram Cláudia Silva e o dançarino DG. Para Cardozo, a declaração do secretário é suficiente para concluir que há consistentes provas de organização de atos ilícitos e até de uma suposta bomba no metrô.

Outro representante do governo federal, o ministro da Advocacia Geral da União (AGU) Luís Adams, declarou que todas as prisões foram feitas com base no respeito à legalidade.

Sabemos que todas essas prisões, assim como as de Fábio Hideki e Rafael Lugharski em São Paulo, foram feitas para atender aos interesses econômicos da FIFA, do Itaú e da Rede Globo, que auferiram fabulosos lucros com a realização da Copa no Brasil. Com as declarações dos ministros, ficou claro para quem ainda tinha dúvida, que os governos de São Paulo (Alckmin/PSDB), Rio de Janeiro (Pezão/PMDB) e o governo federal estão unidos na repressão ao movimento popular.

É o momento de levantar a solidariedade a todos os perseguidos políticos e defender a liberdade de organização e manifestação como valores fundamentais para que o Brasil seja um país democrático.

Lista dos presos no Rio de Janeiro:

– Eliza Quadros Pinto Sanzi, “Sininho”
– Gerusa Lopes Diniz, “GLo”
– Tiago Teixeira Neves da Rocha
– Eduarda Oliveira Castro de Souza
– Gabriel da Silva Marinho
– Karlayne Moraes da Silva Pinheiro, “Moa”
– EloysaSamy Santiago
– Camila Aparecida Rodrigues Jourdan
– Igor Pereira D’ Icarahy
– Emerson Raphael Oliveira da Fonseca
– Rafael Rêgo Barros Caruso
– Filipe Proença de Carvalho Moraes, “Ratão”
– Felipe Frieb de Carvalho
– Pedro Brandão Maia, “Pedro Funk”
– Bruno de Souza Vieira Machado
– Rebeca Martins de Souza
– Joseane Maria Araújo de Freitas
– Eronaldo Araújo da Fonseca
– Sarah Borges Galvão de Souza
– Outros dois menores apreendidos 


Ativistas perseguidos:
– Luiz Carlos Rendeiro Junior, “Game Over”
– Luiza Dreyer de Souza Rodrigues
– Ricardo Egoavil Calderon, “Karyu
– Igor Mendes da Silva
– Drean Moraes de Moura Corrêa, “DR”
– Shirlene Feitoza da Fonseca
– Leonardo Fortini Baroni Pereira
– Pedro Guilherme Mascarenhas Freire
– André de Castro Sanchez Basseres

Da redação

 

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
514
dsq_thread_id:
2845571590

1 comment

  1. Milpor

    Parabenizo pela esclarecimento do que está por trás dessas prisões arbitrárias. Discordo muito de teóricos que desejam mudar o termo “Ditadura Militar” para “Ditadura Civil Militar” referindo-se ao golpe de 64, mas o que está acontecendo hoje não parece muito diferente do que sofremos. Que o inferno leve a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações