UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

CATEGORIA

Cultura

Maria Firmina, professora e liderança do movimento abolicionista

Maria Firmina dos Reis atravessou todas as grandes rebeliões organizadas pelos escravizados de sua terra, da Balaiada à revolta do Viana de 1867.

Expressão de cultura popular e ancestralidade: o jongo do Tamandaré

"O jongo é feito de muita trajetória" - Mestre Totonho

USP derruba casas do patrimônio histórico

Casas com mais de 120 anos serviram de moradia para várias gerações. Metade das casas já estava no chão quando a polícia chegou para interromper a ação.

Comuna lança albúm “Procurado” denunciando o fascismo e o aumento da repressão contra o povo

https://youtu.be/MxDTP1y0d8Q Comuna Salvador-BA Em seu discurso “A arte deve temperar o povo com consciência de classe para a construção do socialismo”, o revolucionário albanês Enver Hoxha defende...

Slam Rebelião reúne poetas de diversas regiões do RJ, em Nova Iguaçu

Conheça a Batalha de Slam, cultura marginal que vem crescendo entre a juventude pobre e trabalhadora. UJR organizou primeira edição do Slam Rebelião no...

O funk e a criminalização do lazer do povo pobre

O funk passa, hoje, pelo mesmo processo de criminalização sofrido por todos os movimentos culturais criados pelo povo preto e pobre.

“Saúde tem Cura”, novo filme de Silvio Tendler, estreia dia 8 de junho

O filme, realizado em parceria com o Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) e com apoio da Fio Cruz, será lançado no canal de Youtube da produtora cinematográfica Caliban e ficará disponível gratuitamente ao público.

Batalha da Matrix: 9 anos de resistência em São Bernardo do Campo

A Verdade entrevistou fundadores da Batalha da Matrix, atividade cultural que sofre perseguição e repressão da Guarda Civil Metropolitana comandada pela Prefeitura de São...

PM reprime roda cultural em Cabo Frio

A roda cultural da Tropa do Mantém, na comunidade Manoel Corrêa, foi interrompida bruscamente pela PM, no último dia 5 de maio. Com tiros, socos e chutes, os policiais aterrorizaram e promoveram o caos numa noite pacífica, quando crianças e jovens estavam na quadra da comunidade produzindo cultura e educação, justamente aquilo que lhes é negado pelo governo. 

Poesia | Cotidiano?

Acauã Pozino Todo dia eles fazem tudo sempre igual: Acordam o povo as 6 horas da manhã Com o riso do capeta e o som da ParaFal Pra...

Deputado bolsonarista ocasiona fechamento do Museu da Diversidade Sexual em SP

O Museu que completaria 10 anos desde sua fundação, e funcionava como um Centro de Cultura, Memória e Estudos da Diversidade Sexual do Estado...

Recente