TwitterFacebookGoogle+

Britânicos festejam morte de Margaret Thatcher, a “bruxa”

Britânicos festejam morte de Margaret Thatcher, a bruxa - 10Centenas de pessoas se reuniram em diversas partes da Inglaterra para festejar a morte de Margaret Thatcher, uma das mais ferozes inimigas da classe trabalhadora das últimas décadas.

Conhecida principalmente por suas privatizações, pelos cortes e pela repressão aos trabalhadores, a mídia burguesa a tem apresentado como uma figura que “divide opiniões”. No entanto, para colocar claramente como são “divididas” as opiniões sobre Thatcher, basta lembrar que em seu governo 10% dos mais ricos passaram a deter 97% das riquezas do país. Tal é a “divisão de opiniões” sobre a “dama de ferro”.

No vídeo abaixo podemos ver parte de uma manifestação, na qual o letreiro de um cinema é alterado por um manifestante para a frase “Margaret Thatcher está morta”. Abaixo dessa frase é formada a sigla LOL, muito comum na internet, que significa Laughing out loud (“rindo muito alto”).

Durante as manifestações puderam ser ouvidas canções que diziam “Quem odeia a Thatcher bata palmas”, e diversas pessoas carregavam cartazes pelas ruas com dizeres como “Alegre-se, a Thatcher morreu” ou “Tin Ton! A bruxa morreu!”

Outro manifestante gritava no megafone “Leite gratuito para todos!”, numa referência a uma medida de Thatcher que retirou o leite gratuito das escolas.

Um website criado há três anos com o nome “Margaret Thatcher já morreu?” (http://www.isthatcherdeadyet.co.uk/) foi atualizado ontem pela primeira vez com a palavra “YES”.

Mas para mostrar o por que de tanta impopularidade de Thatcher com a classe trabalhadora citamos algumas de suas odiosas medidas que foram compiladas num artigo de Neil Harding, intitulado 20 reasons why I hate Thatcher (“20 razões por que eu odeio a Thatcher”).

1. Como secretária de Educação Thatcher retirou o leite da merenda escolar, desregulando posteriormente o cardápio de forma que tudo o que havia no menu era chips e hambúrguer.

2. Na primeira das duas recessões de seu governo (a pior desde 1930), um quinto da produção industrial foi destruído e o desemprego duplicou.

3. Entrou em guerra contra a Argentina pelas Ilhas Malvinas, com o objetivo claro de distrair a atenção da população para os graves problemas econômicos domésticos através da guerra estrangeira.

4. Aumentou o abismo entre ricos e pobres. Quando assumiu o governo os 50% mais ricos do país detinham 97% de toda a riqueza do país. Thatcher fez com que apenas os 10% mais ricos do país detivessem 97% da riqueza.

Thatcher e Pinochet

Thatcher e Pinochet

5. Os jovens mendigos foi uma invenção de Thatcher. O legado do desemprego massivo para a juventude e regiões com altos índices de criminalidade são uma herança de seu governo.

6. O mito da “líder forte”: isso foi uma invenção total da imprensa. A única força de Thatcher era não ter princípio algum, como mostra suas flutuantes posições sobre o tabagismo e o federalismo, por exemplo.

7. Degradação das profissões sociais: assistentes sociais foram praticamente chamados de criminosos em seu governo. O salário dos professores foi tão degradado que a profissão quase desapareceu enquanto tal.

8. “Não existe sociedade”, ela disse. Será que Thatcher previu a geração “playstation”? O egoísmo como virtude é o que parece resumir todo o senso de moralidade de Thatcher.

9. Privatização e corrupção. Thatcher privatizou seviços essenciais à população como água, gás, eletricidade, transporte urbano e rodovias.

10. A taxa de criminalidade duplicou sob Thatcher. Essa talvez seja a estatística mais surpreendente, considerando sua ênfase na “lei” e na “ordem”.

Piquete na greve dos mineiros da Inglaterra, sob ThatcherAlém disso, um memorável episódio do governo Thatcher foi a feroz repressão à greve dos mineiros que durou de 5 de março de 1984 a 3 de março de 1985. Para vencer a greve Thatcher passou a importar carvão e usou de muita força policial e repressão contra os trabalhadores.

Sobre a greve dos mineiros, Thatcher escreveu em suas memórias: “Eu nunca tive dúvidas sobre o verdadeiro objetivo da esquerda ‘dura’ (hard left). Eles eram revolucionários que procuravam impor um sistema marxista na Grã-Bretanha, quaisquer fossem os meios e os custos. […]  O que a derrota da greve demonstrou é que a Grã-Bretanha não podia ser tornada ingovernável pela esquerda fascista.” E completou: “Os marxistas quiseram desafiar a lei do país com o objetivo de desafiar as leis da economia. Eles falharam.”

Mário Lopes

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
2295
dsq_thread_id:
1198518020

3 comments

  1. Ariel De Souza

    Paginazinha comunista ridícula difamando a Baronesa Thatcher, quando vocês entenderem o liberalismo econômico de Adam Smith e Von Mises vocês param de seguir ditadores como os Castro, Chávez e kim jong un e de defender terroristas assassinos como Guevara, Lula e Dilma. Acordem povo alienado Fidel Castro entrou para a lista da Forbes como um dos mais ricos do mundo e vocês ai criticando uma democrata liberal que andava de ônibus, falesceu em um apartamento de subúrbio deixando como herança um país rico. Só vocês não percebem que socialistas sugam a nação em proveito próprio e liberais se doam à nação por amor a ela.

  2. Leonel

    Mesmo com o próprio povo dizendo as razões quais odeiam essa megera vendida , esses direitias brasileiros logo se convocam a defender oque acham lhe representar chega ser engraçado, o pais ficou rico sim, pra quem detém a riqueza pq a maior parte da população ficou na merda o desemprego duplicou e os direitos trabalhistas jogados no lixo, e agora que eles decidiram se fechar ao bloco se ela tava certa com seu liberalismo pq eles se fecham agora? Sabe de nada marca de sabão em Pó

  3. Jeffry

    Marca de Sabão em pó kkkkkk boa …esse deve ser ou deve ter sido um filhinho de papai que viveu como um peso morto p sociedade até sair da faculdade e conseguir o primeiro emprego

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações