TwitterFacebookGoogle+

Banqueiros são responsáveis por lavagem de dinheiro e propina da Odebrecht

Delação demonstra a participação de alguns dos principais bancos do país em esquemas de lavagem de dinheiro das propinas em conjunto com a Odebrecht.
TRENDBANK era responsável pela lavagem de dinheiro da Odebrecht
(Foto: Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados)

Em um processo de delação premiada, um ex-executivo da Odebrecht, Olívio Rodrigues Júnior, revelou a participação de dois banqueiros no processo de lavagem de dinheiro dos pagamentos de propina feitos pela empresa.

Entre os banqueiros citados, um deles é Álvaro Augusto Vidigal, que de 1991 à 1996, foi Presidente da Bovespa, principal mercado de ações do Brasil, e que atualmente é o atual diretor-presidente do Banco Paulista. O segundo banqueiro citado é Adolpho Mello Neto, dono do Trendbank.

Segundo o Ministério Público Federal, a articulação entre o Banco Paulista e a construtora movia cerca de R$ 48 milhões. Sendo investigada anteriormente durante a Operação Lava-Jato, três funcionários do banco ligados à Álvaro Vidigal já haviam sido presos.

“Sempre que existia alguma operação que seria de vultosa devolução, o dono do banco era comunicado e só era efetuada, [a operação], depois da autorização dele”, declarou Olívio Rodrigues.

O MÉTODO

Segundo a Polícia Federal, os banqueiros recebiam comissões em dinheiro da Odebrecht no Brasil através de efetuadas no exterior. E para trazerem o dinheiro de volta ao Brasil, os banqueiros lavavam.

Para garantir isso, os banqueiros abriam empresas e firmavam falsos contratos com o banco de Álvaro Vidigal. Logo após, lavavam o dinheiro na sede do banco e repassavam como se fossem prestações de serviços gerais que não existiam.

A NATUREZA CORRUPTA DA BURGUESIA

Interessante como a burguesia considera legal a sua necessidade de satisfazer um impulso natural de sua própria classe: Concentrar mais e mais capital em suas mãos. O centro da atividade dos bancos e dos banqueiros é a corrupção, pois como disse Bertold Brecht: “O que é roubar um banco comparado a fundar um?”.

A burguesia detém seu capital explorando a riqueza gerada pela classe operária, acumulando a mais-valia (trabalho não pago) retirada diariamente do valor gerado pelos trabalhadores no processo de produção.

Álvaro Augusto Vidigal e Adolpho Mello Neto, sendo protagonistas da lavagem de dinheiro com a Odebrecht, demonstram que é impossível os dirigentes da sociedade capitalista, e o próprio capitalismo, não serem todos corruptos. Faz parte do funcionamento desse modo de produção e da luta entre os burgueses para concentrarem a riqueza.

Torna-se necessário, portanto, liquidar toda a engrenagem desses sistema, se quisermos nos livrar inteiramente da corrupção.  Isso só é possível com revolução socialista que exproprie os meios de produção e mude também a forma de distribuição da riqueza.

REDAÇÃO – JORNAL A VERDADE
Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
134

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações