TwitterFacebook

Aumento da tarifa de transporte no Distrito Federal é crime contra o povo e só beneficia os ricos

No último dia 9 de janeiro, o governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) realizou mais um ataque ao bolso do povo, aumentando em 10% o valor das tarifas de transporte. 

Caio Sad
União da Juventude Rebelião e Unidade Popular – DF

Foto: Arquivo A Verdade

O novo preço da passagem começou a valer no dia 13/01 e vem causando descontentamento na população. No metrô, por exemplo, quem pagava o já absurdo valor de R$ 5,00 agora terá que pagar R$ 5,50, ou seja, aproximadamente o mesmo preço que 1,5 kg de arroz.

Transporte público de qualidade é garantia de acesso à cidade!

A passagem em Brasília já é uma das mais caras do país e o serviço é de péssima qualidade, com ônibus superlotados, caindo aos pedaços e com péssimos horários. Uma característica do transporte público nas grandes cidades é a exclusão dos moradores da periferia. Em Brasília, isso se evidencia no alto custo das passagens para as cidades satélite, a baixa quantidade de ônibus que fazem os trajetos (em vários casos a espera é de mais de 1 hora entre um ônibus e outro) e o encerramento da circulação muito cedo (algumas linhas param de circular 19 horas, por exemplo).

Grande parte da população trabalha e/ou estuda no plano piloto (região central do DF), assim como a maioria das atrações culturais, esportivas, de lazer etc. ficam nesta região. Portanto, tirar o povo do centro da cidade é também impedir a maior parte da população, os trabalhadores e trabalhadoras que produzem tudo o que existe, de usufruir dos produtos que eles mesmos produzem.

Vivemos num contexto de grave crise do sistema capitalista, com milhões de brasileiros e brasileiras sem emprego ou em trabalhos informais, cresce a miséria e a desigualdade social no país e aumentar o preço do transporte, só piora essa situação. Brasília é a capital com maior renda per capita do Brasil segundo o IBGE, mas onde está todo esse dinheiro?

Poucos concentram muito e muitos ficam somente com as migalhas

Como sabemos, sem o trabalho de homens e mulheres, nada se produz na sociedade. Somos nós que dirigimos os ônibus; fabricamos os combustíveis, roupas, calçados, alimentos; construímos os prédios, ruas, casas. Enfim, é a classe trabalhadora que produz tudo o que existe, porém os frutos deste trabalho não ficam nas mãos dos que trabalharam.

Ora, se somos nós que fabricamos e dirigimos os ônibus, produzimos e transportamos o combustível e usamos o transporte público, por que é que não somos nós a decidir como deve ser este transporte? Isso acontece porque as empresas de transporte pertencem a grupos privados e não atuam com interesse em solucionar a demanda da população e sim para produzir lucro e enriquecer o dono da empresa.
Em consequência disso, nós ficamos sujeitos a um serviço de péssima qualidade com tarifas altíssimas que só servem para deixar o patrão mais rico e o trabalhador mais pobre.

População ocupa as ruas contra o aumento das tarifas e por transporte público de qualidade

Indignados com essa situação, ontem (14/01/2020) centenas de pessoas ocuparam as ruas de Brasília e caminharam até a rodoviária do plano piloto (principal terminal de ônibus urbano) denunciando o absurdo valor das passagens e o péssimo serviço prestado. Como capataz do governo e dos ricos a polícia cercou e ameaçou os manifestantes a todo o momento e até chegou a lançar bombas de gás lacrimogêneo no início da passeata. Cantando palavras de ordem como “Mãos ao alto, a tarifa é um assalto” e “Trabalhador, preste atenção. Esse aumento só é bom para o patrão”, deixamos um recado claro de que a voz das ruas não aceita o governo que só serve aos ricos.

A luta só está começando e só vai terminar quando tivermos tarifa zero e transporte público de qualidade. Para isso, precisamos construir uma alternativa revolucionária para alcançar uma sociedade que tenha foco no poder popular. Com a socialização dos meios de transporte coletivo, por exemplo, é o povo que passa a decidir sobre linhas, horários e valores. Assim o transporte passa a realmente atender às demandas da população e não ao lucro dos ricos. É necessário produzir meios de lazer, esporte também nas periferias, mas devemos fazer com que seja direito de todo o povo ter pleno acesso à cidade.

É o momento de ocupar as ruas do país para derrubar os aumentos que só servem aos ricos! Por tarifa zero pra geral! Transporte público de qualidade é direito!

#550éUmAssalto

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
195

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações