UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Poesia: Do que eu sei do mundo

Pedro Laurentino Reis Pereira é natural de Teresina, capital do Piauí, e desde muito jovem iniciou sua militância política e revolucionária em defesa dos mais pobres e do socialismo. Foi militante do movimento estudantil, sendo eleito presidente do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal Rural de Pernambuco e presidente da União dos Estudantes de Pernambuco (UEP).

Foi ainda diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE) e protagonizou, juntamente com outros camaradas, diversas lutas da juventude contra a ditadura militar fascista do Brasil iniciada em 1964 e pela libertação de vários companheiros que se encontravam presos, bem como pela anistia. Escritor e poeta, atualmente é diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Piauí (Sintrajuf-PI).

Recentemente, Pedro Laurentino vem se dedicando à literatura, mas sem abandonar seus ideais. Do que eu sei do mundo é sua terceira obra, que se soma a Luís Cândido da Silva e Mistérios e histórias de Azeneth (em prosa), livros que contam as histórias do povo simples, cheio de dificuldade, esperança e dedicação para conquistar uma vida melhor para si e para sua família.

É, portanto, sua primeira produção em forma de poesia. Em sua obra, a poesia reflete muitas de suas experiências de vida, os espaços em que viveu e seu amor pela família. O traço mais marcante em seus versos, porém, é o valor crítico e de caráter de classe. Ele adota uma linguagem simples e acessível até aos menos letrados, ressaltando a importância da organização do povo em defesa de seus direitos, como educação e moradia. Dessa forma, usa a arte como mais um importante instrumento na defesa de uma sociedade mais justa e igualitária.

Ortodoxia

O mínimo no mínimo
o máximo no corte
o salário fraco
o mercado forte
poupando na vida
lucrando na morte
azar no trabalho
o capital tem sorte.

Equação

Trinta bilhões de dólares
que possui o Eike Batista
por um bilhão de famintos
– não perca a conta de vista.
Quanto vale um estômago
No cálculo capitalista?

Amanda Augusta, militante do PCR

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes