UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

“Os grandes monopólios, como a Warner ou a Sony Music, promovem uma arte alienante”

O jornal A Verdade entrevistou Antonio Guerrero Drouet, membro da União de Artistas Populares do Equador (Unape) e do Partido Comunista Marxista-Leninista do Equador (PCMLE). Guerrero foi presidente da Unape de 2007 a 2009, é membro de sua direção nacional e poeta e escritor da esquerda revolucionária equatoriana.

A Verdade – Fale-nos um pouco sobre seu ingresso no PCMLE e sobre a importância da cultura para o Partido.

Antonio Guerrero – Sou um intelectual revolucionário. No ano de 1968, mais jovem que agora, nos estatutos do PCMLE, junto às características e condições para ser um militante estava escrito: não explorar o trabalho alheio, ser operário, camponês pobre e outros aspectos que correspondiam e correspondem às qualidades básicas para ser membro do partido. Saltou a mim de maneira vivaz: “intelectual revolucionário”. Me identifiquei com isso, era professor do ensino médio, gostava de ler e escrever literatura, poesia progressista, era membro da Casa da Cultura equatoriana da minha província, Esmeraldas. Fui vice-presidente de núcleo e me esforcei para cumprir os deveres de militante. Ingressei no Partido Comunista Marxista-Leninista do Equador quando tinha 27 anos. O regime populista de Velasco Ibarra reprimia fortemente a luta dos trabalhadores, dos camponeses, da juventude universitária e secundarista. Nos forjamos nesses combates que estavam ligados à luta contra o revisionismo contemporâneo kruchevista. Meu partido, desde aquela época, prestou sempre atenção à intelectualidade revolucionária,  para que estudássemos e assimilássemos o marxismo-leninismo. Em março de 1970 se realizou a 1ª Conferência Nacional do PCMLE, que aprovou nossa linha geral e os estatutos. Nossa resolução política e tática para essa conjuntura previa a luta contra a ditadura militar de corte desenvolvimentista e petroleira. Com os jovens do colégio Vargas Torres, onde eu era professor, contribuí na formação do grupo “Rumo ao povo”, que levava a arte, a literatura e o teatro aos bairros, sindicatos e comunidades camponesas. Assim, construir um poema, uma canção, um conto, tinha como propósito impulsionar a luta revolucionária para a conquista do Poder Popular.

No Equador se desenvolvia a corrente artística que tinha em “Los Tzánsicos”, de Quito, uma forte expressão política contra a dominação oligárquica nacional e norte-americana. Esses anos marcaram o ritmo da nossa poesia, da canção popular, do teatro e da pintura, que teve no Centro de Arte Nacional e em Rafael Larrea formidável destaque nas décadas de 80 e 90 e até o fim do século 20. Eu era um quadro dedicado às tarefas de construção das forças revolucionárias, mas escrevia poesia, elaborava contos e estimulava, nos coletivos em que militei, o trabalho artístico-literário popular.

Como você vê a cultura e a estética da indústria cultural capitalista?

A concepção estética do individualismo, que é a concepção estética das classes opressoras em geral e da burguesia em particular, é hegemônica, ainda que pesem as contradições que elas  suportam dentro de sua arte decadente: a promoção do “antiterrorismo”, a pornografia, o erotismo, a alienação, combinando com habilidade com outras formas que atraem para a sua concepção a juventude das classes médias.

Os grandes monopólios de arte massificadora, como a Warner ou a Sony Music, promovem essas expressões artísticas alienantes e conseguem enormes recursos provenientes do mercado criado por eles. Elvis Presley e Michael Jackson ainda depois de mortos são meios de enriquecimento desses monopólios que exploram e manipulam e às vezes enriquecem e destroem moralmente (como Lady Gaga, Justin Bieber, Shakira, etc.).

Diante dessa ofensiva, nós, do Partido Comunista, temos como parte de nossa ideologia e de nossa teoria científica a nossa concepção estética proletária, que se fundamenta na tese de que a classe operária e os povos fazem a história. Este é nosso arquétipo estético vigoroso, formidável, de onde brotam nossos heróis; nosso protótipo que, no marco da crise atual do capitalismo, se expressa nas lutas que se apresentam na Europa –Espanha, Grécia, Inglaterra – e nos países árabes, na luta política e social que se desenvolve na América Latina, particularmente no Equador.

E como você define a cultura popular e a estética revolucionária? Qual sua relevância?

A arte popular (que tem expressões de classe incertas no folclore, nas etnias e nacionalidades, nas culturas nacionais), principalmente como disseram Brecht e Rafael Larrea, é aquela arte que confronta a arte e a literatura burguesas e imperialistas na atualidade, assim como a política da burguesia. O governo de Rafael Correa [o atual presidente do Equador], cada vez mais identificado com os interesses dos Estados Unidos e da China imperialista, das oligarquias nacionais, dos banqueiros e exploradores nacionais, se apresenta como “de esquerda” e vende gato por lebre às faixas sociais que ainda conseguem ganhar com as reformas e obras desenvolvimentistas. A essa política – no nosso caso e sem negar apoio no campo artístico e literário às lutas dos povos da terra – nossa arte deve apontar, para que realmente adquira conotação popular. Meu último livro O arcanjo e a pedra, se refere precisamente a esses fatos políticos e mostra o semblante do “arcanjo” Correa

Qual o papel da Unape?

A União de Artistas Populares do Equador foi reconstituída em 2004 e está preparando seu 3º Congresso. Sua concepção e práxis é construir arte popular, multicultural, emancipadora.

A Unape existe em 16 das 24 províncias do Equador, mas em todas temos alguns grupos de artistas e escritores. Temos direções nacional e provinciais. Trabalhamos com muitos grupos musicais, com dança mestiça, indígena e negra, com pintura, vídeos, literatura nos diversos gêneros. Organizamos oficinas para diferentes áreas. Naturalmente temos visão e concepção populares da arte e da literatura. Temos limitações, mas trabalhamos em todos os terrenos, agora no terreno da teoria e da práxis, da criação artística e literária para avançar no processo revolucionário.

Todos os anos realizamos eventos artísticos importantes: em agosto, em Guayaquil, já há 27 anos, realiza-se o Festival Rosa de Agosto, com música, dança, teatro etc. Esse evento acontece em homenagem a uma jovem professora, Rosa Paredes, militante do PCMLE, morta durante a greve nacional do magistério durante a ditadura militar petroleira desenvolvimentista, em 1973. Em fevereiro realiza-se, em Quito, o festival Jaime, Hermano Pueblo, em memória de Jaime Hurtado, dirigente comunista assassinado durante o governo da democracia cristã de Jamil Mahuad, no fim do século passado.

A Unape continua o trabalho do Centro de Arte Nacional, criado por Rafael Larrea, poeta, músico, propagandista, organizador e formador de quadros para todas as frentes. Contribuiu também no alinhamento dos artistas militantes para que construíssemos um polo de atração para os artistas e escritores progressistas, democráticos e patriotas. Consta da linha do nosso partido que o Equador é um país plurinacional, multiétnico, pluricultural e, por meio dessa organização, trabalhamos para fortalecer a luta de classes e o processo emancipador que se desenvolve no Equador.

E para encerrar?

Envio um abraço fraterno e revolucionário para os camaradas do Partido Comunista Revolucionário no Brasil.

Vivian Mendes, Redação

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes