UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Congresso Extraordinário da UJR: o orgulho de ser comunista

Nos dias 17 e 18 de dezembro de 2011 foi realizado o 1° Congresso Extraordinário da UJR de Pernambuco. O Congresso teve como objetivo aprofundar o nível de organização e avançar  entendimento da realidade política que ora se apresenta aos jovens do Brasil e do mundo.

Esta realidade está impregnada da indignação e da tomada de consciência dos povos, que não suportam mais viver explorados. Desde as passeatas contra o aumento de passagem em Recife até as quedas dos ditadores no Oriente Médio, passando por Wall Street e por uma Europa de pé ante as medidas dos governos capitalistas, fica escancarado o aprofundamento da luta de classes, uma luta que teve início quando do advento da propriedade privada e, consequentemente, terá seu fim com a derrubada desta forma de organização social.

Frente a este cenário político, a UJR cumpre o papel fundamental de ser a trincheira dos jovens trabalhadores do nosso país em sua luta contra a burguesia nacional e internacional e pela socialização dos meios de produção e a consequente libertação do povo brasileiro daquele que, segundo Lênin, é o único mal: a exploração do homem pelo homem.

Fortalecer os núcleos da UJR e crescer a nossa juventude é tarefa que está na ordem do dia dos jovens revolucionários do Brasil. Para tanto, precisamos crescer nosso trabalho de massas, chegar às escolas e universidades em que ainda não chegamos, dirigir os grêmios e DCEs que ainda não dirigimos, otimizar nosso trabalho com o jornal A Verdade e com as finanças, aumentar nossa campanha de recrutamentos, libertando cada vez mais jovens da ilusão na sociedade burguesa.

  É preciso também crescer nosso trabalho de cultura, visto que uma cultura revolucionária é uma arma poderosíssima na educação do povo. Tivemos oportunidade de assistir a peças, ouvir poemas e músicas de autoria de nossos companheiros que ora agitaram e até fizeram chorar de emoção vários companheiros. Isso só prova o poder da arte de despertar no ser humano aquilo que a ideologia burguesa tenta reprimir em nós, mas não consegue – o amor pelo ser humano e a confiança na sua capacidade de transformar a realidade.

   Reafirmamos os princípios do Programa da Revolução Socialista Brasileira, o Programa do PCR, e nossa decisão pela causa revolucionária. Nossas palavras de ordem ressaltaram, como sempre, nossa admiração pelos nossos herois: Marx, Engels, Lênin, Stálin, Che, Olga Benário, Manoel Lisboa e tantos outros dos quais somos herdeiros de luta e de ideal. Aprovamos o apoio ao recém-fundado Movimento de Mulheres Olga Benário e elegemos a nova Coordenação Estadual. Saímos do Congresso felizes e orgulhosos de fazer parte da UJR, conscientes de que, como disse Che, “o que mais deve orgulhar um jovem comunista é ser um jovem comunista”.

Abaixo uma poesia recitada para o plenário numa das intervenções culturais do congresso. Ela, por acaso, é de minha autoria, espero que gostem!

Sobre a beleza

O que existe de mais bonito em mim

é a minha indignação,

é a minha raiva,

é o meu choro crítico,

é a minha firmeza crítica,

é a minha esperança na vinda do novo, na certeza da mudança geral,

é o meu amor pelo que há de bonito nas pessoas e na natureza –

pelo que as pessoas produzem na natureza e vice-versa.

 

Estive notando que

uma maçã é tão mais bonita e saborosa

quando você imagina a chuva irrigando o chão em que ela se desenvolve,

as mãos do agricultor na enxada desde bem cedo até tarde,

a hora do almoço dele, na sombra, saboreando a quentinha já fria como fosse um verdadeiro banquete,

o tempo de espera pela maçã, as crianças correndo em torno da casa,

as crianças correndo em torno da casa pobre enquanto esperam,

a chaleira esquentando água pro café de tardezinha,

as panelas poucas, o barro

o vestido da mulher,

a alegria do agricultor ao constatar o sucesso da safra

suas mãos – sua alegria, sua esperança, medos, dor, seus amores – em contato com a maçã,

o caminho na carroça de burro até a feira,

o assobio do condutor do burro até, seus pensamentos pelo caminho

a maçã em contato com a madeira da barraca,

a maçã tocada, medida, apreciada, pelas mãos dos trabalhadores,

a maçã com o cheiro da manhã e das vozes dos vendedores, dos seus lamentos

a maçã que tem o preço do trabalho do homem –

que carrega, também, inocente, o sujo da mais-valia. Sim, porque nem a mais inocente maçã escapa às leis econômicas de seu tempo. –

 

E, enquanto pensava, me ocorreu que,

assim como as maçãs e as tesouras,

eu, também produto de meu meio e de minha biologia,

eu também posso ser bonita:

 

Por exemplo, minha boca pode ser muito bonita quando fala das qualidades humanas, quando diz a verdade, seja sobre arte ou sobre política – neste caso quando denuncia porque os senhores do mundo esforçam-se tanto para distanciar o povo da arte, financiando a produção de obras tão pobres de sentido que ininteligíveis.

Por exemplo, minhas mãos podem ser muito bonitas quando afagam uma criança ou acodem um passarinho na chuva e quando escrevem a verdade, seja sobre cultura ou sobre política – nesse caso quando denunciam quem são os que impedem o acesso a cultura ao povo pobre.

Ocorreu-me, pois, que todos os homens e mulheres podem ser muito bonitos. Quando comem maçãs, quando deslizam a faca sobre a manteiga, quando enfiam as mãos nos bolsos, quando enamorados, quando compram sabão, quando abotoam a camisa e calçam sandálias, quando trabalham e quando discutem política – nesse caso perguntando-se e respondendo-se uns aos outros com quem fica a riqueza que com suas mãos produz o povo -, desde que o façam com o genuíno amor dos indignados, dos que não se contentam, com a altivez dos que preocupam-se com a demora da mudança mas que não desistem de engendrar o mundo novo. E não desistem porque, assim como as xícaras, mesmo as mais finas, perdem a sua nobreza de coisa se uma mulher ou homem não lhe derrama e lhe sorve café, completando-lhe assim de significado, realizando-lhe a função de xícara, Assim também os homens, mesmo os mais elegantes, perdem a sua nobreza de pessoa  se as coisas bonitas do mundo não lhe tocam profundamente o espírito, fazendo-o deveras feliz, ou se, da mesma forma, não lhe corre nas veias profunda indignação com o que é reprovável e injusto. De forma que cheguei à conclusão de que, assim como cabe às xícaras comportar líquidos, é função última do homem o amor à justiça. E a beleza de seus membros e palavras está contida, portanto, em sua entrega à causa da justiça. Perguntar se um homem é justo é pergunta idêntica a inquirir sobre sua beleza.

Thaynnara Queiroz, militante da UJR.

Outros Artigos

3 COMENTÁRIOS

  1. ENQUANTO VEJO A JUVENTUDE EMPUNHANDO A BANDEIRA DO SOCIALISMO, RENOVA-SE A ESPERANÇA DE JUSTIÇA SOCIAL E REVIGORA MINHA MOTIVAÇÃO PELA VIDA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes