UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Situação em Teresina é fruto da indignação popular

Desde o ano passado os estudantes de Teresina lutam contra o aumento da tarifa do transporte público e das péssimas condições do serviço prestado a população. Em agosto de 2011 a AMES – Teresina esteve à frente de várias manifestações, com estudantes das principais escolas do estado, contra o abusivo aumento de R$1,90 para R$2,10.

Acontece que no período de férias escolares de julho o valor da passagem foi reajustado para R$2,10, valendo-se desse período para inviabilizar as manifestações dos estudantes. Surpreendendo os empresários e o prefeito Helmano Ferrer, mais de cinco mil estudantes foram as ruas durante uma semana, puxando palavras de ordem como ‘Helmano, eu não aguento, a R$2,10 eu vou andar é de jumento’ e ‘Estudo, trabalho, dou duro o dia inteiro, Helmano anda de carro e ainda rouba o meu dinheiro’, mostrando sua indignação. Vários ônibus foram queimados e o centro comercial da cidade foi completamente paralisado. Sem saída os empresários se viram obrigados a cancelar o reajuste.

Os teresinenses há mais de oito anos pagam por uma integração fantasma e contam com o serviço de uma frota de coletivos sucateada, com ônibus antigos e sem nenhum tipo de acessibilidade para idosos, deficientes visuais e cadeirantes. São poucas linhas e em algumas só possuem dois ônibus, submetendo a população a intermináveis horas de espera.

Para garantir os lucros dos empresários o prefeito anunciou em dezembro um novo aumento, iniciado no dia 1° de janeiro de 2012. Em contrapartida os estudantes também não ficaram parados, e deram continuidade ao movimento contra o aumento, que dessa vez tem sido duramente reprimido desde o primeiro dia de manifestação.

O estopim da repressão aconteceu na segunda-feira (9 de janeiro), quando cerca de 50 estudantes ocuparam pacificamente uma via da Av. Frei Serafim, principal da cidade, e foram surpreendidos com a chegada de mais de 300 policiais militares, RONE, cavalaria, seguranças particulares e mais de 100 policiais do batalhão de choque. Uma cena que nunca imaginaríamos ver na nossa tão amada cidade. O resultado foi estudantes presos, muitos feridos e um em estado grave.

Enquanto vivermos nesse sistema opressor a necessidade do povo nunca será prioridade. Vamos à luta contra os aumentos, contra a repressão e a violação dos direitos humanos.

Rayça Andrade,
militante da UJR e diretora da AMES-Teresina

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. Gente, tô preterito com essa notícia. O interesante é ver que a juventude de Teresina-PI não está e não vai ficar calada tão cedo, eu apoio e aplaudo de pé essa luta que não é só dos estudantes e sim de todos lutadores do Piaí, aqueles que saem cedinho pra ir trabalhar e voltam depois das 8 da noite, sendo que a metade do trabalho já paga seu salario. Enfim, força estudantes do PI, força AMES. Ousar lutar, ousar vencer!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes