UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

Ato em Recife pede punição aos torturadores

Já em Recife, a Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco recebeu militantes da esquerda e dos Direitos Humanos de Pernambuco para um ato em homenagem aos heróis e fundadores do PCR, no dia 14 de setembro. O ato teve início com a exibição do filme “Aos Heróis do PCR”, seguido da apresentação do poema “Operário em Construção”, de Vinícius de Moraes, declamado por André Monteiro, estudante de história da Universidade Federal de Pernambuco, do grupo Recite. Convidado para prestar sua homenagem sob a forma de poesia, o cordelista Alan Sales declamou versos de literatura de cordel críticos da corrupção e poemas de sua autoria sobre a anistia no Brasil e sobre a Ditadura Militar, entre músicas de Chico Buarque, Geraldo Vandré e Zé Ramalho ao som do seu violão.

Na mesa, estiveram presentes Amparo Araújo, secretária de Direitos Humanos e Segurança Cidadã da Prefeitura da Cidade do Recife, fundadora do Movimento Tortura Nunca Mais em Pernambuco; Serginaldo Santos, coordenador do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB); José Henrique, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Caruaru-PE; Rafael Freire, presidente do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba; e Edival Nunes Cajá, ex-preso político, presidente do Centro Cultural Manoel Lisboa e dirigente do PCR.

Isadora de Carvalho, bisneta de Amaro Luiz, foi a primeira a prestar seu depoimento, emocionando todos os presentes ao dizer que “eu tenho orgulho de ser descendente de Capivara”. Em seguida, Amparo Araújo “falou da emoção que sentia de ver reunidos tantos jovens para celebrar a memória dos que lutaram e morreram na luta contra a Ditadura”.

Edival Cajá resgatou a coragem, o heroísmo, a determinação e a confiança no povo que possuíam os cinco heróis homenageados. Relatou sua experiência após a prisão de Manoel Aleixo, quando teve que comparecer a um encontro onde Aleixo deveria estar e não apareceu, confirmando sua prisão e confirmando também sua fidelidade ao Partido porque não entregou o encontro para os policiais.

Rafael Freire frisou a importância do jornal A Verdade, que, há 13 anos, vem denunciando os golpistas, torturadores e assassinos da Ditadura, além de destacar o exemplo revolucionário dos heróis do povo brasileiro, homens e mulheres que deram suas vidas pela redemocratização do país e pelo socialismo. Já Serginaldo Santos falou do papel que tiveram os homenageados da noite para a derrota do Regime Militar: “nós podemos continuar essa luta aqui hoje porque outros lutaram e enfrentaram a repressão e as torturas no passado”.

Adelson Borba, sociólogo, que foi presidente do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Católica de Pernambuco, em 1978, prestou um emocionado depoimento sobre o papel do movimento estudantil na década de 1970, lembrando de passagens como a greve estudantil contra a prisão de Cajá.

O último depoimento foi do operário da construção civil José Henrique, que falou da alegria de estar reunido com aquela quantidade de companheiros para prestar tão justa homenagem. Disse que “o principal que devemos fazer é continuar a luta e organizar o Partido de Manoel Lisboa”.

Estiveram presentes representantes do PCR da Bahia, Alagoas, Paraíba, Ceará, Rio de Janeiro e São Paulo, além de vários sindicalistas, lideranças estudantis e lutadores sociais. Entre outros, registrou-se a presença de Luis Alves, memorialista do jornal A Verdade, e Viviane Farias, da Executiva Estadual do Partido dos Trabalhadores em Pernambuco, representando o senador Humberto Costa e o deputado federal João Paulo.

A despedida ficou por conta de Kelayne Martins, presidente da Associação Recifense dos Estudantes Secundaristas (Ares), que surpreendeu a todos cantando à capela uma canção de Elis Regina.

Já em Belém-PA, reuniram-se no Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Pará (Sintsep-PA), no dia 19 de setembro, diversas organizações políticas e dos movimentos sociais para homenagear os heróis do PCR mortos pela Ditadura Militar. Participaram da mesa Edival Nunes Cajá, representando o Centro Cultural Manoel Lisboa, Fernanda Lopes, do PCR, Daniel Veiga, da Refundação Comunista, Juliano Medeiros, do PSOL, o sociólogo Dermi Azevedo e o ouvidor-geral da OAB-PA Oswaldo Coelho. Além do integrantes da mesa, falaram no ato companheiros estudantes, do MLB e do Movimento Xingu Vivo.

Em Natal-RN, no dia 27 de setembro, foi realizado um ato político na sede do Sindicato dos Comerciários do Rio Grande do Norte, que contou com a participação de dezenas de jovens, moradores dos bairros populares e de militantes dos movimentos sociais. Compuseram a mesa os companheiros Antônio Capistrano, presidente da Comissão da Verdade do RN, Alexander Feitosa, do PCR, Samara Martins, da UJR, Roberto Montenegro, do Centro de Direitos Humanos e Memória Popular, Wellington Bernardo, do MLB, e Soraya Godeiro do Sindicato dos Servidores Municipais de Natal.

Da Redação

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes