UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Ocupação Eliana Silva constrói creche de alvenaria

A ocupação Eliana Silva, organizada pelo Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) no dia 22 de agosto na região do Barreiro, em Belo Horizonte, completou dois meses  de resistência e está em plena consolidação. São cerca de 370 famílias que vêm construindo uma vida nova dentro da ocupação.

A experiência de poder popular é fator mais marcante deste processo. Todas as decisões são tomadas coletivamente, mantendo as famílias mobilizadas diariamente, participando das assembleias e reuniões dos núcleos do MLB.

As comissões de educação, segurança, estrutura, comunicação, limpeza, alimentação desempenham um grande papel para o crescimento da organização das famílias e para o desenvolvimento desta nova consciência coletiva. A comissão de segurança, por exemplo, garante a defesa da ocupação que desde o primeiro dia, funcionando 24h, o que impediu várias tentativas da PM e de representantes do Governo e da Prefeitura de BH em retirar as famílias, além de ter barrado a Companhia de Energia de Minas Gerais (Cemig) e a Polícia, que queriam cortar a luz da comunidade.

Este trabalho, movido à união e vontade de vencer, incomoda os poderosos, que, mesmo estando de certa forma vulneráveis devido ao processo eleitoral, buscam impor um clima de tensão e medo permanente às famílias, fotografando, filmando e tentando se infiltrar na ocupação, inclusive com homens à paisana.

Mesmo com todas essas ameaças, as famílias seguem firmes e convencidas da enorme possibilidade de vitória. É o que nos diz o relato dos moradores da ocupação: “O sonho que eu tenho de ter minha casa, para mim e para o meu filho e independente da situação, estarei aqui para luta e resistir, não tenho nada a perder”, afirma Cristiane Verrissímo, de 26 anos. “Moro de favor, a dona da casa colocou a casa a venda, o que ganho por mês não dá pra pagar aluguel e cumprir com as atividades que tenho, por isso, estou junto com vocês nessa luta para o que der e vier” disse Seu Geraldo Silvio, 67 anos. “Eu quero sim ter minha casa, para ficar com meus filhos sem passar humilhação, mesmo passando muitas dificuldades, chuva, sol, frio. Faço até o sacrifício de ter que ficar longe de uma parte dos meus filhos. Por isso tudo eu não desisto”, é o depoimento de Mônica Lima, 28 anos, mãe de quatro crianças.

A rede de solidariedade

A força da ocupação também vem da rede de solidariedade que cresce a cada dia. Além de centenas de estudantes, professores, sindicalistas, advogados populares, jornalistas, arquitetos e outros profissionais liberais, religiosos, parlamentares, etc., personalidades vêm declarando seu apoio à ocupação. Além do rapper Emicida, que desde maio vem constantemente defendendo a ocupação, outro grande rapper brasileiro, o Rebeld, do grupo SNJ (Somos Nós a Justiça) deu uma importante declaração de apoio à ocupação que pode ser vista no blog:http://www.ocupacaoelianasilva.blogspot.com.br/2012/09/rebeld-snj-declara-apoio-comunidade.html. Além disso, foram doados livros para a biblioteca, brinquedos e cadeirinhas para creche, além de roupas, cobertores, móveis e alimentos.

Alvenaria, o caminho para vitória

Com pouco mais de 20 dias de ocupação, as famílias, contando com grande apoio da rede de solidariedade e decididas em permanecer no local, já ergueram uma creche, que atende diariamente cerca de 40 crianças de 0 a 5 anos, e iniciaram a construção de suas casas de alvenaria.

Uma rede de professores e estudantes de arquitetura organizou um belo projeto de divisão equitativa dos lotes e abertura das ruas e avenidas. “Fizemos um projeto de parcelamento para garantir que as famílias tivessem melhores condições habitacionais e qualidade de vida. O projeto prevê como as famílias podem estar mais inseridas dentro do contexto urbano, dando a elas o direito à cidade”, disse a estudante de Arquitetura da UFMG Poliana Ambrósio.

No projeto, o novo bairro irá contar com alguns espaços coletivos, além da creche, uma sede para o MLB e a associação de moradores, uma igreja ecumênica e um espaço de lazer com quadra e brinquedos.

Dezenas de moradias já estão erguidas, e a luta continua para que a Prefeitura e os Governos Estadual e Federal possam garantir a posse definitiva da área às famílias bem como o financiamento para implementação do saneamento básico, asfalto, e demais obras de infraestrutura necessárias.

Várias outras iniciativas estão em discussão, como projeto pedagógico para educação de jovens e adultos, elaboração de programa de sustentabilidade para as famílias, reciclagem do lixo, projetos ecológicos, horta comunitária, entre outras atividades.

Assim é a nova vida para os moradores e lutadores da ocupação Eliana Silva.

Leonardo Pericles, membro da Coordenação Nacional do MLB

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes