UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 4 de outubro de 2022

Carta de Marcelo Rivera: Para uma amiga que me deu a liberdade

Marcelo RiveraMe lembro daquele dia, na primeira reunião do núcleo da Juventude (JRE) que você formou no colégio Cinco de Junho, participei por um convite de uma companheira de curso, chamavam-na de “a gata”, se lembra dela? Era alta, branca e com lindos olhos de gato.

Há muito tempo que procurava por vocês, e cheguei ao lugar certo, nessa reunião te conheci, desde aquele dia eu não parei em minha atividade, mesmo na prisão não deixei de ser ativo: sempre organizando, sempre desenvolvendo idéias, propostas, iniciativas … sempre lutando.

Devo te dizer que nesses anos de prisão tenho compreendido um pouco mais o que significa ser livre, e estou convencido que me cheguei a se-lo quando ingressei na organização. Você, amiga e camarada, teve uma grande participação nesse processo de libertação.

Ser livre significa pra mim romper cotidianamente as cadeias da alienação ideológica que o sistema capitalista constrói todos os dias em nossa consciência. Ser livre é cortar essas milhares de amarras que nos atam às concepções, idéias, modelos, mentalidades, preconceitos, conceitos que nos impõe uma única forma de vida e um único caminho a seguir: ser mais uma peça da grande máquina opressora que nos domina. Quando ingressei na organização, comecei esse processo de libertação e ainda estou lutando todos os dias para ser um pouco mais livre.

Um belo dia, de uma hora pra outra, me tiraram o direito de ir e vir, me prederam num caixão de cimento, rodeado de barras, cadeados, correntes, regras, regulamentos, vigilantes, disposições administrativas, e a ameaça permanente de transferências… Enfim, minha existência ficou reduzida ao controle institucional de quem pretende me “rehabilitar”. Me arrancaram de minha familia e amigos, fui colocado com presos comuns para que saiba que “se rebelar contra a grande máquina é um crime, pior ou mais desprezível do que matar, roubar ou estuprar”.

Esta situação deveria provocar uma mudança em minha essência, já não sou o mesmo, agora sei o que é ser livre. Todos os dias assimilo essa realidade e compreendo que nada poderá voltar a me prender, nada poderá tirar a MINHA LIBERDADE. Somos livres amiga, saimos da escuridão e de um mundo de mentiras, a organização nos deu a luz e agora sabemos “o porquê“ de todas as coisas que passam neste mundo e por isso sabemos como transformá-lo e vamos mudá-lo, disso estou plenamente seguro.

Somos livres porque abandonamos a miragem e o sonho eterno em que vivem milheres de pessoas que acreditam ser livres, nossa tarefa agora é libertar a todos, devolver a dignidade ao ser humano, por isso vivemos, essa é nossa responsabilidade de vida.

Há muitos anos me deste a mão, abriu-me a porta e me convidou a ser parte desta organização de seres humanos livres, me convidou a seguir este caminho que jamais deixarei, por isso sou eternamente agradecido.

Uma mulher me deu a vida, uma mulher me deu a felicidade e uma mulher me deu minha liberdade.

Teu amigo Marcelo Rivera
Janeiro de 2013

Entenda o caso

Em dezembro de 2009, Marcelo Rivera, então presidente da Federação dos Estudantes Universitários do Equador – FEUE, foi preso, acusado e condenado pelo governo de Rafael Correa de “agressão terrorista” e “destruição de bens”, por lutar contra uma reforma universitária que estava sendo imposta pela reitoria de sua Universidade.

No dia 27 de fevereiro de 2013, após cumprir 3 anos e 2 meses essa injusta pena, Marcelo Rivera finalmente foi solto e poderá, enfim, se incorporar as trincheiras de luta pela real libertação do homem e da humanidade.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes