UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Para proteger Copa, Fifa faz registro até mesmo de marca ‘pagode’

Para proteger Copa, Fifa faz registro até mesmo de marca pagodeDesde o anúncio da Copa no Brasil, a Fifa já conseguiu através de pedidos no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual), autarquia do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o registro de mais de 1.000 marcas. O objetivo da entidade com a prática é proteger os seus interesses e resguardar comercialmente o Mundial no País.

Nenhum dos pedidos realizados pela federação chamou tanto a atenção, no entanto, quanto a solicitação de exclusividade no uso da expressão ‘pagode’.

No último dia 3 de setembro, a revista do INPI anunciou a concessão do termo com base na Lei Geral da Copa, sancionada pela presidente Dilma Rouseff em 2012 e que prevê benefícios como maior rapidez na avaliação e registro no instituto a propriedades ligadas ao Mundial. Ainda foi concedida à marca o status de alto renome, deixando em aberta, assim, a possibilidade de ser impedido legalmente que outras empresas façam uso do nome para qualquer atividade mercadológica.

O responsável pelo registro foi o escritório Montaury Pimenta, Machado & Vieira de Mello. Em contato com a reportagem do ESPN.com.br, ele não soube informar o motivo do pedido e disse apenas “receber instruções da Fifa e cumpri-las”.

Um advogado que presta serviço para a entidade no Brasil considerou a solicitação “apelativa” e realçar a sua “obsessão por proteger” a Copa.

A princípio, como se trata de uma denominação de alto renome, a Fifa poderia impedir até mesmo a divulgação de uma peça publicitária de uma casa de show com a palavra ‘pagode’ e aumentar ainda mais a polêmica em torno de seu poder o País. Até aqui, não foi identificado nenhum movimento nesse sentido, contudo.

Registrada na categoria de fontes tipográficas, a marca representa nada mais do que o nome da fonte utilizada pela entidade em todo o material impresso do Mundial 2014. Ou seja, qualquer tentativa de copiá-la em cartazes pode resultar em uma notificação por parte do presidente Joseph Blatter e companhia.

Em caso de não cumprimento da lei, a pena é de três meses a um ano de detenção ou multa.

Na Copa de 2010, a Fifa se envolveu numa batalha judicial com a companhia aérea Kulula depois de a empresa anunciar voos entre as cidades-sedes da África do Sul ao lado do ano ‘2010′, registrado pela federação como marca. Em resposta, os sul-africanos lançaram uma campanha com a frase “nem no próximo ano, nem no ano passado, mas em algum lugar entre os dois”.

Marcus Alves
Fonte: ESPN

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes