UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

Começa 3º Enet em Brasília

plenaria curitibaCom mais de mil participantes em Brasília, iniciou-se o 3º Encontro Nacional dos Estudantes de Escolas Técnicas (Enet). O evento, de 18 a 21 de abril, é organizado pela Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico (Fenet) e debaterá importantes temas como a luta e a organização do movimento estudantil no setor, financiamento da educação, expansão da rede, assistência estudantil e os desafios da juventude na atual situação do país e do mundo.

O Enet foi convocado por uma plenária nacional de grêmios que ocorreu em fevereiro no Rio de Janeiro. Desde então, os diretores da Fenet têm viajado pelo Brasil para mobilizar o Encontro, contando com o empenho de diversos grêmios. Até agora, os informes dos estados demonstram um grande interesse pelo evento.

Nos últimos anos, tem ocorrido uma importante ampliação da rede de ensino técnico do país, em especial a federal, que hoje alcança mais de 500 campi em 38 institutos federais, doisCefets, uma universidade tecnológica e ainda 25 escolas vinculadas a universidades. Somando-se às redes estaduais, com destaque para os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, temos um contingente superior a um milhão de estudantes no ensino técnico.

Apesar de apenas três anos de existência, a Fenetconseguiu resgatar a história de luta e mobilização dos estudantes das escolas técnicas, cumprindo um importante papel na construção de pautas nacionais do movimento estudantil.

“Depois das gigantescas mobilizações de junho do ano passado, um grande golpe contra os direitos estudantis foi cometido no Congresso Nacional. A redução ao direito à meia-entrada é algo que não podemos aceitar. Esse Enet vai dar um novo impulso à luta para recuperarmos o direito à meia-cultural!”, declarou Bia Martins, estudante do Cefet-MG e coordenadora geral da Federação.

Realizando-se no mês em que se completam 50 anos do golpe militar no Brasil, esta pauta também não poderia ser esquecida e estará presente nas discussões e no ato político do Encontro. Como afirma Emmanuele Rodrigues, do Instituto Federal da Bahia, e 1ªsecretária da Fenet, “milhares de estudantes foram perseguidos, torturados e mortos por esse regime fascista que se implantou no Brasil. Rasgaram a Constituição e assassinaram jovens como José Montenegro de Lima, que era diretor da Uetni, e hoje é o patrono da Fenet. Queremos a apuração desses crimes e a devida punição a todos os responsáveis pela Ditadura Militar”.

Nessa campanha de preparação, a Federação ampliou sua representatividade, chegando a estados que ainda não participaramdos fóruns nacionais da entidade. Para Raphael Pena, estudante do IFRJ e coordenador geral da Fenet, “chegar em Santa Catarina e no Paraná e contar com a receptividade dos estudantes desses estados me deu ainda mais certeza da importância da luta dos estudantes e que estamos no caminho certo de resgatar a combatividade e a representatividade do movimento estudantil”.

Entre os vários temas a serem tratados no Enet serão debatidas a regulamentação do piso salarial técnico, a política de assistência estudantil e a expansão da rede técnica, a construção dos grêmios estudantis, a política esportiva e os megaeventos, a participação da mulher no mercado de trabalho e o machismo na sociedade, entre tantas outras questões que ocorrerão nos quatro dias de atividades.

Redação, com apoio blog da Fenet (www.fenetbrasil.blogspot.com)

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes