UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Dos Estados Unidos ao Brasil: a morte do povo negro nas mãos da polícia

michael_brown-331275Um negro, morto a tiros pela polícia, torna-se notícia em vários cantos do mundo. Seu nome? Michael Brown, mas poderia ser João, Ana, Douglas. O local? Ferguson, nos Estados Unidos, mas poderia ser São Paulo, Rio de Janeiro, uma cidade qualquer da Colômbia ou da África do Sul. A morte da população negra nas mãos de um “Estado branco” é rotina no mundo em que vivemos. Afinal, enquanto Michael Brown era assassinado, quantos outros jovens negros e negras também não estavam sendo?

Analisar a morte de Brown é lembrar-se dos assassinatos de Amarildo Sousa e de Cláudia Ferreira, ambos no Rio de Janeiro, e isso nos dá a certeza de que o genocídio da população negra em várias partes do mundo não é tragédia, mas apenas um rodapé nas páginas dos jornais.

Para que os gritos do povo negro sejam escutados é preciso uma prática radical, um desafio à ordem e às leis vigentes de um Estado e de uma sociedade que somente privilegiam os brancos.

“A carne mais barata do mercado é a negra, que vai de graça pros presídios e pra debaixo do saco”. Em sua música A carne, Elza Soares consegue evidenciar a realidade do corpo negro na sociedade, a exclusão e negação que são rotinas em suas vidas. Aliás, quantos jovens negros estão nos presídios e quantos estão nas universidades? Qual população encontra-se hoje encurralada nos guetos das grandes cidades? A juventude branca ou a juventude negra?

Pesquisa do Ipea realizada em 2013 aponta que, a cada três assassinatos no Brasil, dois vitimam negros. Segundo essa mesma pesquisa, as chances de um jovem negro ser morto é 3,7 maior que um jovem branco. A realidade brasileira não difere da realidade nos Estados Unidos, onde a taxa de desemprego entre os negros é de 11, 4% (pesquisa do National Poverty Center).

Nas escolas, aprende-se que a escravidão no Brasil acabou e, assim, os negros hoje são livres. Mas como se pode afirmar isso se a polícia brasileira mata em proporções semelhantes à polícia sul-africana no período do apartheid? E os policiais das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nas favelas cariocas desempenham papel semelhante ao dos capitães do mato no período da escravidão?

A violência do Estado racial, que toma forma na mão de policiais militares, matou Michael Brown, assim como matou Amarildo, Cláudia, os jovens da Chacina da Candelária, o dançarino DG e tantos outros. Para mudar essa situação é preciso mais que uma bênção dos orixás, é preciso a luta do povo negro por sua real libertação. Dessa forma, a morte do povo negro não será apenas mais uma notícia nas páginas de jornal.

Rafael Cantuária, militante da UJR

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes