UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 3 de julho de 2022

Eleições na Turquia podem abrir um novo momento para a luta popular na região

 

Selahattin Demirtaş
Selahattin Demirtas

Duas eleições legislativas devem ser acompanhadas com atenção nestes últimos meses do ano pelo potêncial que têm de afetar a situação política no Oriente Médio e na América Latina. São elas as eleições turcas que acontecem amanhã (01) e as eleições legislativas venezuelanas que estão marcadas para o dia 6 de dezembro.

Na Turquia, as eleições foram antecipadas por iniciativa do atual presidente, Recep Tayyip Erdogan, líder do partido governista AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento). Após fracassar na formação de um novo governo e ver o país imerso em um clima de tensão, e logo após o maior atentado terrorista de história turca que matou mais de 120 pessoas na capital, Ankara, o AKP procura conquistar a maioria absoluta para mudar a constituição e instituir o presidencialismo.

Neste período, a alternativa popular HDP (Partido Democrático dos Povos), agremiação que reúne uma série de partidos de esquerda, entre eles o Partido do Trabalho (EMEP), se fortaleceu. Liderado pelo advogado de origem curda Selahattin Demirtaş, o HDP conta hoje com mais de 80 deputados no parlamento.

O HDP se tornou o principal partido a confrontar Edorgan, defendendo os direitos dos trabalhadores, das mulheres e das nacionalidades minoritárias dentro do Estado turco (Curdos, Armênios, Lars, Circassianos, Yazedis, Ciganos, Sírios e Alauitas)

As mais contundentes denúncias do apoio dado pelo governo de Edorgan aos terrorista do Estado Islâmico (ISIS) e da Frente Al-Nusra na Síria vieram de vozes do HDP. Por pressão dos parlamentares e militantes do HDP, Edorgan foi obrigado a abrir por algum tempo as fronteiras com a região de Rojava, para que pudessem chegar apoios e suprimentos para o exército curdo que resistiu até a vitória contra o Estado Islâmico.

Para entrar no Parlamento, o HDP precisa vencer a cláusula de Barreira que é de 10%, em uma campanha contra toda a repressão militar que é realizada nas regiões de maioria curda. A cidade de Diyarbakir, conhecida como a “capital do Curdistão do Norte”, esteve sob estado de sítio e com um toque de recolher imposto pelo governo durante boa parte deste ano.

Sandino Patriota, São Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes