UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 3 de julho de 2022

Morre, aos 71 anos, o percussionista pernambucano Naná Vasconcelos

nana dentro

O percussionista Naná Vasconcelos faleceu no último dia 09 de março, aos 71 anos, no Recife, sete meses após a descoberta de um câncer no pulmão. Pernambucano nascido em 2 de agosto de 1944, Juvenal de Holanda Vasconcelos começou sua carreira ainda na infância, quando aprendeu sozinho a tocar bongô e maracas. Aos 12 anos já se apresentava junto com seu pai numa banda marcial e participava de grupos de maracatu. Sua ligação com a cultura popular era muito forte e sua paixão pela África serviu de influência para suas experimentações musicais.
O músico, que ficou mais conhecido fora do Brasil, foi eleito por oito anos consecutivos o melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat, além de ganhar 8 prêmios Grammy. Durante sua carreira, tocou com grandes nomes nacionais, como Milton Nascimento, Caetano Veloso, Geraldo Vandré, Geraldo Azevedo, Gilberto Gil e Marisa Monte, e internacionais, como Pat Metheny, B. B. King, Miles Davis e Paul Simon.
Naná foi o idealizador do projeto ABC das Artes Flor do Mangue, que tem como objetivo levar a música para crianças das comunidades pobres de Olinda. “Nosso maior objetivo é que depois de passar por este espaço elas possam representá-lo lá fora através de apresentações ou até mesmo ministrando oficinas”, disse o percussionista durante o lançamento do projeto. “O Flor do Mangue será uma base de apoio ao adolescente de risco. Um centro de assistência social no qual a música terá o papel de divertir, educar e socializar”, completou na ocasião.
Durante o seu velório, nesta manhã no bairro de Santo Amaro, em Recife, uma multidão de amigos e admiradores do músico acompanharam as homenagens prestadas por diversos cortejos de Maracatu.
Redação Pernambuco.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes