UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Iniciadas as obras da Escola Manoel Lisboa na Paraíba

No último dia 17 de agosto, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), assinou a ordem de serviço para o início das obras da Escola Estadual Manoel Lisboa de Moura, em solenidade de entrega das reformas de outras duas escolas, em João Pessoa. A nova escola será construída no lugar onde funcionava o antigo prédio da Escola Estadual Presidente Costa e Silva, que, no dia 02 de março de 2016, teve seu nome mudado para Manoel Lisboa a partir de um projeto de lei do deputado estadual Anísio Maia (PT). O local fica às margens da BR-101, na entrada da Capital paraibana, num bairro também chamado Costa e Silva.

O general Arthur da Costa e Silva foi o segundo presidente da República durante a Ditadura Militar fascista brasileira, no período de 15 de março de 1967 a 17 de dezembro de 1969, data de sua morte. Como ditador de plantão, foi ele quem decretou o famigerado Ato Institucional Nº 5 (AI-5), no dia 13 de dezembro de 1968, que recrudesceu a repressão, as torturas e os assassinatos no regime.

Manoel Lisboa de Moura estudava Medicina da Universidade Federal de Alagoas, em Maceió, onde nasceu, quando foi expulso da instituição após o AI-5 de Costa e Silva, sendo obrigado a viver clandestinamente entre sua terra natal, Pernambuco e Paraíba. Iniciou sua militância política ainda como estudante secundarista e, em 1966, fundou, junto com outros valorosos lutadores, o Partido Comunista Revolucionário (PCR) com os objetivos de derrubar a Ditadura Militar e construir uma nação socialista, livre do fascismo e da exploração da burguesia e dos latifundiários sobre o povo. Após ser preso, foi torturado seguidamente por 19 dias até ser assassinado em 04 de setembro de 1973.

Luta para garantir a construção da escola

Mas não bastou uma lei ser aprovada para que a obra da escola se tornasse realidade. Desde que houve a mudança de nome, a comunidade escolar, liderada pela companheira Patrícia Melo (militante do MLB, aluna e mãe de aluno) e a Associação Paraibana dos Estudantes Secundaristas (APES) lutam para que a Secretaria de Educação da Paraíba incluísse a escola entre as prioridades das reformas anunciadas pelo Governo. Um ano e meio de audiências na Secretaria, ocupações, denúncias na Assembleia Legislativa e na TV reivindicando a construção do novo prédio e para que o imóvel onde hoje funciona a escola de forma improvisada passasse por manutenções e tivesse as mínimas condições de funcionamento.

Para Maria Denise, presidente da APES e moradora do bairro onde fica a escola, “esta é uma grande conquista do movimento estudantil, de todos aqueles que lutam por justiça e por democracia, pois não é possível mais reverenciar ditadores assassinos. Temos que homenagear os verdadeiros brasileiros que deram suas vidas pelo povo, como foi Manoel Lisboa”.

Mesmo diante de tantos avanços, infelizmente a direção da escola insiste numa postura atrasada em não reconhecer o nome de Manoel Lisboa de Moura nos documentos oficiais da instituição e até mesmo no letreiro do muro da escola, negando-se, inclusive, a receber uma visita de representantes do Centro Cultural Manoel Lisboa. “Nós já conseguimos o reconhecimento da comunidade escolar para o nome de Manoel, e a direção não vai nos impedir de divulgar seu nome. Conseguimos também os reparos no prédio atual e o início das obras do novo prédio. Vamos fiscalizar de perto a obra. Não vamos parar enquanto todo o bairro não souber quem foi Manoel Lisboa e a contribuição que ele deu para acabar com a Ditadura Militar. Até porque precisamos conscientizar os mais jovens de que a Ditadura matou, torturou centenas de pessoas. Temos que divulgar ao máximo o exemplo dos revolucionários para barrar mais retrocessos em nosso país”, afirmou Patrícia.

Rafael Freire, Paraíba

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes