UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 29 de setembro de 2022

Assassinos de Marielle passaram pela casa de Bolsonaro horas antes do crime

Denúncia feita por porteiro do edifício onde mora Jair Bolsonaro revela suposta relação do atual presidente com o assassinato da vereadora Marielle Franco.

Gabriela Santos, Gabriela Torres e Larine Flores
Movimento de Mulheres Olga Benario – SP


Homenagem à Marielle em ato do Rio de Janeiro. Foto: Metrô Jornal

Na última terça-feira (29), foi denunciada uma suposta relação entre o presidente Jair Bolsonaro e o assassinato da parlamentar Marielle Franco, do PSOL, em março de 2018. Segundo o porteiro que realizou a denúncia, trabalhador do prédio onde Bolsonaro reside – na Barra da Tijuca (RJ) – Elcio de Queiroz, acusado de assassinar Marielle, frequentou o condomínio do atual presidente: apesar de Bolsonaro estar em Brasília, o encontro entre os dois principais suspeitos do crime ocorreu horas antes do assassinato da vereadora, e, para entrar no prédio, Queiroz teria afirmado se dirigir à casa 58, onde reside o atual presidente da República. O caso segue em investigação judicial.

Conversas entre Alberto Moreth, o “Beto Bomba” e o vereador Marcelo Siciliano (PHS) já comprovaram o envolvimento do Escritório do Crime, milícia atuante na Zona Oeste do Rio de Janeiro, no crime contra a vereadora: “Os moleques foram lá, montaram uma cabrazinha, fizeram o trabalho de casa, tudo bonitinho, ba-ba-ba, escoltaram, esperaram, papa-pa, pa-pa-pa-pum. Foram lá e tacaram fogo nela [Marielle].”, diz Moreth.

Mesmo com uma hesitação por parte das grandes mídias em acusar o presidente da república, as ligações da família Bolsonaro à milícia acionada para matar Marielle Franco e Anderson Gomes eram anteriores às alegações da testemunha do condomínio e ficam cada vez mais claras: o líder do Escritório do Crime, e ex-policial Adriano Magalhães da Nóbrega, tinha cargos para sua família no gabinete de Flávio Bolsonaro para sua mãe e sua esposa, e chegou a ser homenageado por Flávio. Nóbrega, além de ter participação no braço armado genocida, é amigo dos dois acusados do caso Marielle, Ronnie Lessa e Queiroz. Lessa é vizinho de Jair Bolsonaro, possui um nível de proximidade com a família a ponto de sua filha já ter namorado um dos filhos do presidente.

Homenagem à Marielle, em uma escadaria de São Paulo. Foto: Brasil de Fato.
Homenagem à Marielle do rapper Rincon Sapiência. Foto: Folha de São Paulo
Homenagem à Marielle da Escola de Samba Mangueira, campeã do carnaval de 2019. Foto: Correio 24 Horas

Marielle Franco foi uma socióloga brasileira, eleita vereadora em 2017, com a quinta maior votação das eleições de 2016. Defensora dos direitos humanos, denunciava os casos de abuso de autoridade e o genocídio provocado pela intervenção militar no Rio de Janeiro. Foi assassinada, junto com seu motorista, o trabalhador Anderson Gomes no Estácio, região central, no dia 14 de março de 2018.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes