UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Dia do Assistente Social: “Não temos muito a comemorar”

Por HR Santana, Assistente Social e trabalhador do SUS

Hoje é o dia da/o Assistente Social, e infelizmente não temos muitos motivos para comemorar. Nos encontramos em luta permanente contra a radicalização da burguesia, que neste momento assumiu o poder pela face do moralismo religioso e falsa defesa das famílias, via golpe de Estado, emplacando fortes ataques na retirada de direitos da classe trabalhadora, desarticulando as organizações de lutas da classe e restringindo a participação popular no Estado. Para além disso estamos enfrentando esse cenário de pandemia e as pautas liberais permanecem avançando em todas as esferas de poder.

É grave a disseminação da pandemia e o aumento da crise econômica mais acelerada pela Covid-19, e também pela escolha do governo federal de priorizar salvar o sistema financeiro e não a vida dos trabalhadores, passando por cima de todos os alertas sobre a importância do isolamento social. Nós, Assistentes Sociais que atuamos diretamente com as vulnerabilidades da sociedade capitalista, sabemos que a ausência de políticas públicas efetivas trará consequências às famílias brasileiras, especificamente aos moradoras das periferias, áreas rurais, quilombolas, Ribeirinhos, população indígena, Negra, LGBTQIA+. Também as pessoas em situação de rua certamente estão sendo as mais impactadas neste cenário de omissão do Estado.

A perplexidade da desigualdade social revelada nesse momento tem que nos apontar para mudanças. Precisamos denunciar o Estado que assume essa postura genocida, expressão real do capitalismo na sua forma mais dolorosa, e que é sentida na pele da classe trabalhadora. Por isso, não podemos deixar a vida voltar a seguir sob sensação de normalidade durante ou após o período de pandemia, caso contrário seremos permissivos em reproduzir o passado. Não é por acaso que o movimento negacionista que está sentado na cadeira da presidência do Brasil, potencializa o genocídio da população indígena, a escravidão, as ditaduras e os diversos movimentos eugenistas com intuito de  sucumbir o povo negro e indígena no Brasil.

Apesar dos nossos diversos campos de atuação profissional está diretamente relacionado ao Estado Burguês e muitos colegas de profissão terem optado somente pela reprodução dessa ordem para salvar seus empregos. Frente a isso, pensar o exercício da profissão da/o Assistente Social, nessa data tão importante para a nossa categoria, torna–se urgente levantarmos nossas bandeiras de lutas que norteiam o projeto ético e político da profissão de Assistente Social. Trazermos a consciência de classe e de construção coletiva, para que nossa profissão não esteja fadada a criminalizar, controlar e punir a classe trabalhadora. Já não bastam profissionais que negam a leitura critica sobre a realidade social e não fazem a luta em defesa de que as políticas públicas sejam laicas, universais e com ampla cobertura das necessidades sociais. É preciso que tenhamos em nosso horizonte uma nova ordem societária.

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. É desumano o apagão dentro das comunidades. Ver o meu povo perecer no esquecimento, lançado a própria sorte à margem do interesse econômico. Ver os mais pobres padecendo em sua própria ignorância política, retrato social do sistema que negou acesso aos diretos básicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes