UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

Pelo formigueiro e por todas as formigas oprimidas do mundo!

Por Movimento de Mulheres Olga Benário – UFABC

“Vida de Inseto” é uma animação produzida pela Pixar de 1998, mas o que poderia ser apenas um desenho “Pixar”, como qualquer outro assistido pelas crianças dos anos 90, é muito mais do que aparenta ser. O filme conta a história de uma formiga que coloca seu formigueiro todo em perigo por questionar a estrutura construída em torno da cadeia alimentar, em que as formigas colheriam e estocariam grãos para a própria alimentação e também para os gafanhotos em troca de proteção contra o suposto perigo dos demais insetos. 

Flick, a formiga protagonista, é moldado pelas características de um personagem curioso, que se queixava constantemente da exploração laboral e do tamanho esforço físico que era exigido de seu formigueiro, uma vez que além de colherem os próprios alimentos, também sustentavam a pequena comunidade de gafanhotos comandada pelo personagem Hopper. Embora carismático, Flick não é bem visto no formigueiro, pois suas ideias revolucionárias tem intenção de romper com a velha ordem que impera por ali há muitas gerações. Aqui é possível traçar um paralelo com nossa realidade – a luta por uma sociedade mais justa é muitas vezes taxada de inútil e utópica, e os companheiros e companheiras que lutam por essa mudança na sociedade são, às vezes, humilhados pelos que querem a continuidade da exploração.

O filme também deixa claro porque a exploração capitalista existe: as formigas trabalham incessantemente para manterem suas vidas e a fartura dos gafanhotos. Assim também ocorre em nossa sociedade: o trabalhador ganha somente o suficiente para manter a reprodução de seu trabalho. O capitalista fica com a riqueza gerada pelo trabalho realizado, porque consegue – através da força do Estado – manter esse ciclo de exploração. As formiguinhas de Vida de Inseto rompem a ordem exploradora de sua sociedade através da conscientização do funcionamento do sistema: um despertar para a noção de que elas são o motor do mundo, elas são as trabalhadoras, elas sustentam os gafanhotos, é delas o poder.

Se antes estavam alienadas, cansadas e conformadas com a dura realidade, quando Flick, a formiguinha, traz a elas a esperança do fim da exploração que sofrem pelos gafanhotos, o formigueiro faz a festa. Agora que podem finalmente sonhar  com a libertação e colher na natureza apenas o necessário para o conforto da própria sociedade e não mais a enorme quantidade exigida pelos gafanhotos exploradores, as formigas têm tempo de brincar, fazer arte, conviver e trabalhar em melhorias que beneficiem a todas elas. Deixando de lado o antigo modo de produção, repetitivo, cansativo e altamente especializado – e necessário para manter a ordem – a colônia pode fazer rápidos avanços, aproveitando melhor o trabalho de cada formiga: de cada uma, segundo sua capacidade, a cada uma, segundo suas necessidades, bem como disse Karl Marx.

Assim como as formigas, os trabalhadores, operários e camponeses, devem ser a vanguarda da revolução. São eles os que trabalham e produzem, é através da exploração da sua força de trabalho que são construídas todas as riquezas, mas não são os que controlam os meios de produção, os que tem o poder sobre aquilo que produzem. Por isso é necessário lutar pela revolução, para que os operários não sejam mais explorados! Pelo poder popular!

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes