UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Estudante é executado por milicianos no Rio

VIOLÊNCIA. Rodrigo foi mais uma vítima de LGBTfobia e da ação violenta das milícias (Foto: Reprodução/Facebook)

Rodrigo dos Anjos Nascimento foi assassinado por milicianos da região de Curicica, Zona Oeste da cidade. A principal suspeita é que o rapaz tenha sido vítima de uma tentativa de abuso, seguida de execução. Em nota, a UFRJ afirmou que o estudante “foi vítima da violência e da homofobia tristemente vicejante em nossa sociedade”.

Por Leonardo Gonçalves
Rio de Janeiro


RIO DE JANEIRO – No último dia 22 de fevereiro, o estudante de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rodrigo dos Anjos Nascimento, foi assassinado por milicianos da região de Curicica, Zona Oeste da cidade. O jovem estava em uma festa na comunidade Dois Irmãos quando foi abordado por milicianos. 

A principal suspeita é que o rapaz tenha sido vítima de uma tentativa de abuso, seguida de execução. Rodrigo foi mais uma vítima de LGBTfobia e da ação violenta das milícias, que dominam uma parcela cada vez maior do Rio.

A UFRJ se posicionou através do Instituto de História e do Conselho Universitário, que lançaram moções de pesar pelo caso. No texto, a universidade afirma que “Rodrigo foi vítima da violência e da homofobia tristemente vicejante em nossa sociedade. As circunstâncias do seu assassinato revelam os desafios ainda presentes para a construção de um país mais justo, igualitário e de respeito à dignidade humana”.

A morte de Rodrigo é mais uma pra conta de um país que, mesmo durante a pandemia, segue perdendo mais de 40 mil pessoas por ano vítimas de homicídios. É consequência também de um projeto de nação criado para que um pequeno grupo de indivíduos lucre com a constante pobreza e abandono de uma parte considerável da população. Esse modelo de país serve única e exclusivamente a uma elite, enquanto a maior parte do povo não tem acesso pleno aos direitos mais básicos, como segurança e lazer.

O poder das milícias

As milícias cariocas ocupam uma parte considerável da Zona Norte, Zona Oeste e Baixada Fluminense. Segundo pesquisa do Grupo de Estudos Novos Ilegalismos (GENI/UFF), esses grupos paramilitares ocupavam 25,5% dos bairros da capital fluminense, em 2019. 

É difícil ver as milícias apenas como um poder paralelo que cresce onde o Estado é ausente. Nos locais onde atuam, elas se colocam como o próprio Estado, sendo responsáveis por diversos serviços, como internet, gás, televisão, lazer, transporte e segurança. As milícias nasceram e cresceram do que há de mais podre e corrupto do sistema capitalista; são fruto da corrupção policial e especulação imobiliária. Hoje estão completamente entrelaçadas ao Estado burguês e são bases de apoio fundamentais para o bolsonarismo, com quem mantêm relações bastante próximas.  

Preconceito e violência 

Atualmente, a população LGBT é vítima constante da violência que domina a “Cidade Maravilhosa”. Seus corpos não cabem no cartão postal.  

Todos os dias, vemos a cidade triturar sonhos e afetos de quem mora na periferia ou não se enquadra nos padrões pré-definidos pela sociedade. Rodrigo tinha apenas 22 anos e uma vida inteira pela frente. É mais um jovem cheio de sonhos que se vai. 

Mais do que nunca, é necessário se organizar para resistir à ofensiva conservadora, defender um projeto de cidade mais inclusivo, que deixe de ser uma máquina de moer sonhos e gentes, como é no capitalismo. Defender a vida e a causa LGBT em um dos países que menos tolera essa existência é defender uma pauta anticapitalista. A memória de Rodrigo e tantos outros dos nossos, que são constantemente atacados por esse modelo excludente de sociedade, precisa permanecer viva.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes