UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Ataque aos servidores públicos em SP: aprovada a reforma administrativa

Servidores de São Paulo em mobilização contra a retirada de direitos

Thais Gasparini


SÃO PAULO –

No fim da noite de terça (19), os deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP) aprovaram o PLC 26, que altera as regras do funcionalismo público estadual. A proposta foi feita em agosto e tramitada em regime de urgência, com três sessões de debates e uma adiada pela pressão e mobilização dos servidores públicos.

O projeto faz parte do pacote de maldades do governador João Dória (PSDB). O PLC 26 foi aprovado da mesma forma que foram aprovadas a reforma da previdência estadual em março de 2020, que altera as regras na aposentadoria, e o projeto de lei de 2020 que alterou em alguns pontos o plano de saúde dos servidores gerenciados pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de SP (IAMSPE), aumentando a alíquota de contribuição.

O PLC 26 ataca a estabilidade os servidores públicos, instituindo a avaliação de desempenho, facilitando a demissão dos servidores; facilita e amplia a contratação de profissionais temporários em caso de greve dos servidores; desobriga do Estado a abrir concurso público; coloca fim as faltas abonadas; retira o reajuste do adicional de insalubridade. Ou seja, um verdadeiro ataque ao serviço público no estado de São Paulo.

Vale lembrar que, durante esses dois meses, todas as vezes que a proposta foi debatida, houve forte pressão dos servidores. Sindicatos, organizações partidárias e movimento sociais estiveram na porta da ALESP para barrar a reforma administrativa. O projeto foi proposto sem qualquer diálogo com os servidores, os únicos que possuem condições de dizer como que devem ser suas condições de trabalho.

 

Seguindo a cartilha do governo federal, que diz que servidores são parasitas, Dória todos os dias se demonstra inimigo do serviço público. Em 2017, já dizia que a estabilidade dos servidores é uma “excrescência”, como se tudo que foi conquistado com muita luta, greve e mobilização, fossem privilégios da categoria. 

A justificativa é a mesma das anteriores: falta de verba e ajuste nos investimentos público. A verdade é que, São Paulo é a terceira maior economia da América Latina e uma das maiores do mundo. Onde está essa riqueza toda, se está cada vez mais difícil desses trabalhadores colocarem o prato de comida na mesa? Os servidores públicos, principalmente neste momento de pandemia, dedicaram os seus dias para que a populaçao pudesse. superar de forma mais amena esse período. Foram as professoras, as trabalhadoras da saúde, da segurança que garantiram o atendimento da maior parte população. 

Sem esperar qualquer ameaça do governo, é preciso cada vez mais intensificar a luta pelo direito dos trabalhadores, de forma ofensiva. Participar dos sindicatos e faze-los ferramenta de luta da nossa classe, mobilizar as categorias com panfletagens e manifestações, fazer greve para parar a produção, mas além de tudo, defender um programa em defesa dos trabalhadores servidores públicos com revogação de todas as reformas já aprovadas. 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes