TwitterFacebook

Ao povo preto: se orgulhar ou se rebelar?

Ocupação Lanceiros Negros em Porto Alegre/RS. Foto: reprodução.

Dionatan Melo Coelho*

OPINIÃO – Os muito ricos tentaram, ao longo dos séculos, enfiar goela abaixo a ideia de que o regime de escravidão foi abolido graças à bondade de uma princesa e que, portanto, deveríamos celebrar o fim formal da escravidão do Brasil por meio de uma lei. Na verdade, foram os próprios negros os protagonistas da superação desse sistema que. 

Durante quase 400 anos, todas as riquezas do Brasil e de vários países europeus foram construídas à custa do sangue de milhões de homens e mulheres negras, e apesar disso, eram condenados à condição de coisa, objeto, propriedade. 

Foram as revoltas, a quilombagem o motor da História que possibilitou o fim da escravidão. Uma história se destaca: Zumbi dos palmares, líder e resistência da escravidão. Seu assassinato aconteceu no dia 20 de novembro e é ai que nasce a data comemorativa ao dia nacional da consciência negra.

Hoje, após mais de 130 anos de uma falsa abolição, vivemos um governo fascista e racista em que nós, negros, sofremos uma enorme desigualdade. No país hoje temos um total 13,9 milhões de pessoas desempregadas, sendo que 72,9% são negras, segundo dados do IBGE. 

A Pandemia não é também a mesma para todos. Ao negar a vacina Bolsonaro condenou os negros e negras a morte. As pesquisas demonstram que enquanto 55% de negros morrem de Covid, a proporção entre brancos foi de 38%. Na prática, isso quer dizer que, as condições de vida de alguns os tornam mais expostos à morte e ao adoecimento por Covid e essas pessoas são negras. Ainda, segundo o Fórum Brasileiro de segurança pública, os negros foram a maiores vitimas da violência policial, das 6.416 pessoas assassinadas por policias em 2020 78,9% são negras, esses dados mostram o quanto o povo negro sofre com a desigualdade e que o sistema pretende nos aniquilar.

No mesmo Brasil onde os preços dos alimentos sobem diariamente, o gás de cozinha custa R$100 reais, o litro da gasolina custa mais de R$7 reais, os trabalhadores se aglomeram nas filas dos ossos e milhões de pessoas não têm onde morar, o governo Bolsonaro e sua família fazem farra com dinheiro público, compram mansões, comem picanha e fazem turismo milionário em Dubai.

Esse é o governo mais corrupto da história do Brasil desde a ditadura militar. Lutar pela libertação dos negros é lutar pelo fim desse governo fascista, racista e genocida.

Nunca fomos a lua
V
ivemos nas ruas
Não temos lugar ao sol
Mas temos queimadura
Que queima como tortura
Temos sede
Temos fome
T
emos força
Temos vontade
Temos tudo menos igualdade
Somos a maioria nessa sociedade
E mesmo assim não temos lugar
Na faculdade
E somos forçados a começar a luta
Ainda menor de idade
E depois de falar tantas verdades
Ainda vão me tratar como vilão
Falar que é vitimismo
E dizer que isso é fanatismo
E que quero separar o povo
Mas que povo?
O branco, negro e índio
Das 3 raças
Só 2 estão na beira do abismo
Sem estrutura

Povo guerreiro
Bate tambor
Comemora a liberdade
Mas a igualdade não chegou

*Militante da Unidade Popular em Passo Fundo/RS

Print Friendly, PDF & Email
classic-editor-remember:
classic-editor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações

%d blogueiros gostam disto: