UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 22 de junho de 2024

Comissão Especial da UFRGS realiza audiência pública para revogar títulos Honoris Causa de ditadores

Após muita mobilização de estudantes, técnicos e professores, revogação de títulos Honoris Causa concedidos a ditadores estão no caminho de ser revogados, mesmo sob a reitoria do interventor Carlos Bulhões.

Sam Paz
Porto Alegre (RS)


JUVENTUDE – No último dia 5 de maio ocorreu a audiência pública que debateu a proposta de revogação de títulos Honoris Causa concedidos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul a Emílio Médici e Arthur da Costa e Silva, militares e conhecidos torturadores do período da ditadura militar fascista no Brasil. 

Na audiência estavam presentes a comissão, a qual construímos com nossos representantes pelo Movimento Correnteza, eleita no Conselho Universitário, além de entidades representativas de estudantes e de trabalhadores. O debate girou em torno da proposta que será apresentada e votada no Conselho Universitário para a revogação dos títulos. O título Honoris Causa é uma homenagem concedida a pessoas de grande importância para o avanço científico, da inovação e do bem estar social. 

Qual a contribuição desses dois torturadores e da ditadura militar como um todo para a ciência e a tecnologia? Matar, perseguir e torturar estudantes, professores, pesquisadores e trabalhadores, censurar o pensamento crítico nas universidades, militarizar a educação. 

E para o bem estar social? Torturar e matar trabalhadores, mulheres, jovens e crianças, além de toda a corrupção e alta inflação do período da ditadura, que piorou muito a vida do povo brasileiro.

A UFRGS assim como outras universidades do país sofreu com dezenas de expurgos e expulsões de professores, funcionários e estudantes que ousassem se opor ao regime militar fascista. Ainda hoje nós vemos os resquícios da ditadura em diversos espaços. Na UFRGS, estudantes cotistas são expulsos, estudantes e professores do Instituto de Artes são criminalizados e perseguidos por se mobilizar em defesa de uma estrutura decente, tudo isso a mando do interventor Carlos Bulhões, indicado de Bolsonaro. Nas universidades públicas em geral o fascista Bolsonaro realiza intervenções, corta verbas da educação e tenta censurar estudantes e professores.

Por tudo isso, a revogação dessas homenagens é um passo importante na luta por memória, verdade e justiça, mas não o suficiente para superar a herança sangrenta da ditadura. Para isso, precisamos ainda de uma punição exemplar a todos os torturadores e aos que os homenageiam, a revisão das leis do período que ainda são aplicadas hoje, como a regra da lista tríplice, que permite que aconteçam intervenções nas universidades públicas, a abertura de todos os arquivos da ditadura e o apoio às famílias dos desaparecidos, torturados e mortos. Para que nunca mais se esqueça, para que não se repita jamais.

*Militante da UJR/RS

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes