UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

Comissão Especial da UFRGS realiza audiência pública para revogar títulos Honoris Causa de ditadores

Após muita mobilização de estudantes, técnicos e professores, revogação de títulos Honoris Causa concedidos a ditadores estão no caminho de ser revogados, mesmo sob a reitoria do interventor Carlos Bulhões.

Sam Paz
Porto Alegre (RS)


JUVENTUDE – No último dia 5 de maio ocorreu a audiência pública que debateu a proposta de revogação de títulos Honoris Causa concedidos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul a Emílio Médici e Arthur da Costa e Silva, militares e conhecidos torturadores do período da ditadura militar fascista no Brasil. 

Na audiência estavam presentes a comissão, a qual construímos com nossos representantes pelo Movimento Correnteza, eleita no Conselho Universitário, além de entidades representativas de estudantes e de trabalhadores. O debate girou em torno da proposta que será apresentada e votada no Conselho Universitário para a revogação dos títulos. O título Honoris Causa é uma homenagem concedida a pessoas de grande importância para o avanço científico, da inovação e do bem estar social. 

Qual a contribuição desses dois torturadores e da ditadura militar como um todo para a ciência e a tecnologia? Matar, perseguir e torturar estudantes, professores, pesquisadores e trabalhadores, censurar o pensamento crítico nas universidades, militarizar a educação. 

E para o bem estar social? Torturar e matar trabalhadores, mulheres, jovens e crianças, além de toda a corrupção e alta inflação do período da ditadura, que piorou muito a vida do povo brasileiro.

A UFRGS assim como outras universidades do país sofreu com dezenas de expurgos e expulsões de professores, funcionários e estudantes que ousassem se opor ao regime militar fascista. Ainda hoje nós vemos os resquícios da ditadura em diversos espaços. Na UFRGS, estudantes cotistas são expulsos, estudantes e professores do Instituto de Artes são criminalizados e perseguidos por se mobilizar em defesa de uma estrutura decente, tudo isso a mando do interventor Carlos Bulhões, indicado de Bolsonaro. Nas universidades públicas em geral o fascista Bolsonaro realiza intervenções, corta verbas da educação e tenta censurar estudantes e professores.

Por tudo isso, a revogação dessas homenagens é um passo importante na luta por memória, verdade e justiça, mas não o suficiente para superar a herança sangrenta da ditadura. Para isso, precisamos ainda de uma punição exemplar a todos os torturadores e aos que os homenageiam, a revisão das leis do período que ainda são aplicadas hoje, como a regra da lista tríplice, que permite que aconteçam intervenções nas universidades públicas, a abertura de todos os arquivos da ditadura e o apoio às famílias dos desaparecidos, torturados e mortos. Para que nunca mais se esqueça, para que não se repita jamais.

*Militante da UJR/RS

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes