TwitterFacebook

Operário de manutenção da CPTM morre eletrocutado devido às más condições de trabalho

Mais sangue operário é derramado por conta de más condições de trabalho na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Capitalistas são responsáveis.

Redação
Jornal A Verdade


Foto: Reprodução/Facebook

SÃO PAULO – Na madrugada de quinta-feira (2), um ferroviário da CPTM morreu durante atendimento de uma falha no sistema elétrico. Técnico de manutenção, Robson Eduardo Gomes tomou uma descarga elétrica de 3 mil volts ao abrir a porta de uma subestação de energia em Júlio Prestes, Linha 8 da CPTM. Trabalhadores que acompanhavam o serviço afirmaram que havia uma infiltração na sala e que, devido à chuva, jorrava água pela porta, deixando a maçaneta molhada.

É flagrante a negligência da CPTM quanto às condições de trabalho. Muita infiltração, equipamentos antigos, estruturas bem desgastadas já são situações comuns para os ferroviários. A Linha 8 é uma das que o governo estadual pretende privatizar. O sucateamento observado na ferrovia, aprofundado no governo Dória, deixa claro o interesse dos governos do PSDB de entregar serviços públicos à iniciativa privada para servir de fonte de lucros a consórcios de empresas.

Robson tinha 30 anos, era casado e tinha dois filhos. O Movimento Luta de Classes se solidarizou com seus familiares e amigos e exige uma apuração rigorosa do ocorrido.

Print Friendly, PDF & Email
pvc_views:
113

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornais Internacionais

Páginas

Categorias

Especial

Links

Movimentos Sociais e Organizações