UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 4 de julho de 2022

Eleições derrotam social democracia na Espanha

Governada pelo Partido Socialista dos Operários da Espanha (PSOE) e com 22% da população desempregada, a Espanha realizou no dia 20 de novembro eleições gerais. Nos últimos anos, o PSOE e Zapatero implementaram medidas de fazer inveja a qualquer neoliberal: cortes nas áreas sociais, aumento da idade mínima para aposentadoria e congelamento dos salários dos servidores públicos. Todas essas medidas aprofundaram a recessão no país e aumentaram a concentração de riqueza.

As pesquisas eleitorais já previam uma dura derrota para o PSOE em resposta a essas medidas antipo-populares realizadas pelo governo. Os dados da eleição, no entanto, mostraram uma derrota ainda mais profunda, sendo este o pior resultado do PSOE desde o fim do franquismo. A abstenção eleiotral também cresceu muito, configurando-se como a segunda opção eleitoral. O Partido Popular (PP), organização de extrema direita que conta com diversos quadros que estiveram na ditadura de Franco, conquistou uma ampla maioria no parlamento, possibilitando assim o crescimento dos ataques contra os direitos dos trabalhadores.

A esquerda espanhola encontra-se enfraquecida e não consegue aparecer para o povo como uma alternativa viável, em virtude da presença do reformismo em grande parte do movimento popular. Como se sabe, a Espanha voltou a ser, desde o fim do franquismo, uma Monarquia Parlamentar, e vários partidos ditos socialistas participam do “consenso” da constituição monárquica que oprime as nacionalidades da Espanha e mantêm os privilégios de uma oligarquia.

Em nota oficial sobre as eleições, o Partido Comunista da Espanha Marxista-Leninista (PCE-ML) afirmou: “Pode-se estranhar essa vitória arrasadora de uma força reacionária repleta de elementos oriundos do franquismo e de políticos corruptos em um momento como o atual, no qual a oligarquia trabalha para aprofundar seu ataque contra as classes populares. Mas o PP não ganhou por seus méritos. Foi a traição realizada por um governo “social-democrata” o que levou muitos cidadãos a buscar a vingança com um maciço voto de castigo na única força que se via como possibilidade de chegar à maioria. O recurso do voto útil, no qual a esquerda institucional é pródiga em utilizar para pressionar os eleitores, terminou por voltar-se contra eles próprios”.

O PCE-ML também apontou como muito importante o nascimento da alternativa Republicanos: “Para iniciar o caminho da unidade consequente da esquerda, nasceu Republicanos, uma federação que nosso partido apoia plenamente  e que, apesar de todas as dificuldades, apresentou candidaturas em oito circunscrições e implantou núcleos em numerosas províncias. Virão meses muito duros. A União Europeia do capital e da guerra está dando passos para acabar com qualquer resto de soberania dos estados-membros. Entramos em um período no qual os dias podem valer por anos, de mudanças constantes. A foto política surgida nas eleições de 20 de novembro não vai durar muito”.

Redação São Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes