UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

Ato enfrenta a privatização do Hospital Universitário e o aumento no bandejão da UFMG

Ato enfrenta a privatização do HU e o aumento no bandejão da UFMGCerca de 100 estudantes ocuparam o Conselho Universitário da UFMG no último dia 14 e impediram a primeira reunião do ano do conselho, reunião que tinha como pauta a aprovação da privatização do Hospital das Clínicas (Hospital Universitário) e o aumento do restaurante universitário em 50%.

A reitoria da UFMG, sem nenhuma discussão com a comunidade e sob pressão do governo federal, propôs a assinatura de um acordo com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), com o argumento de que ou a UFMG privatiza seu Hospital Universitário, aceitando uma empresa de direito privado para gerí-lo, ou não receberá mais recursos da União para resolver os problemas do hospital. A EBSERH é uma empresa pública de direito privado para realizar a administração e gestão dos HU’s, prestação de serviços médico-hospitalares e de ensino, pesquisa e extensão para as Universidades, contratação de funcionários e aplicação de metas se desempenho desconectada da qualidade na atenção à saúde. A EBSERH significa, na prática, a privatização do maior sistema hospitalar público brasileiro. É uma séria ameaça ao SUS e à autonomia universitária.

Outra questão importante colocada em jogo nessa reunião foi a assistência estudantil!! A reitoria vem tentando desde o ano passado aumentar o preço das refeições do bandejão de R$ 2,50 para R$3,75 e da moradia de R$200,00 para R$265,00, num flagrante ataque aos direitos dos estudantes. No ano passado a administração da UFMG propôs esse aumento e foi com muita luta organizada pela então gestão do DCE VOZ ATIVA que isso não ocorreu. A proposta, porém, voltou para a pauta do Conselho Universitário já na primeira reunião do ano, no mesmo dia da pauta da EBSERH.

Mesmo com a exigência do movimento estudantil e dos técnicos administrativos da universidade em se adiar essa reunião e ampliar o debate na comunidade, a reitoria atropelou todos os pedidos e seguiu com a convocação da reunião. Como os servidores e estudantes juntos representam apenas 30% dos votos no Conselho Universitário, e a intransigência da reitoria da UFMG em não dialogar com a comunidade acadêmica a única saída para os estudantes foi a ocupação do conselho.

Várias lideranças e integrantes de DA’s e CA’s e movimentos organizados na universidade participaram ativamente dessa luta, mobilizando os estudantes para o ato no dia do conselho, organizando a assembleia para decidir os encaminhamentos do movimento até a ocupação. Cerca de 100 estudantes ocuparam o espaço do conselho como única forma de levar nosso posicionamento contra a privatização do HU através do EBSERH e para barrar o aumento dos preços dos serviços de Assistência Estudantil. A ocupação foi vitoriosa conseguindo adiar a pauta da Assistência, e quanto ao EBSERH foi decidido que o Conselho-diretor do HC irá elaborar restrições para o contrato com a EBSERH para uma posterior aprovação do contrato pelo Conselho Universitário, ou seja foi aprovada o Interesse da UFMG em Negociar com a EBSERH.

O movimento estudantil combativo e comprometido com um serviço público de qualidade vai manter preparado e vigilante às políticas de privatização dos serviços da universidade pública e também aos constantes ataques contra os direitos dos estudantes que o governo e a reitoria querem fazer a todo custo. Por isso, a luta continua por uma universidade mais democrática e popular, por mais assistência estudantil e por espaços de debate com toda a comunidade acadêmica para construirmos uma proposta coletiva de solução para nosso Hospital das Clínicas e para garantir uma verdadeira política de assistência estudantil na UFMG.

Isabela Rodrigues Ligeiro
Diretora do Centro Acadêmico de Ciência Sociais da UFMG

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes