UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Sobre Stálin

Durante sua vida o camarada J. Stálin motivou a admiração e o carinho da classe operária e de todos os povos da vasta União Soviética e também o respeito e a amizade dos trabalhadores dos cinco continentes, o ardor e o entusiasmo dos comunistas de todos os países e, é obvio, o ódio dos reacionários, dos imperialistas e burgueses que se sentiam feridos profundamente pelas colossais realizações da União Soviética, pelas grandes ações econômicas, culturais, tecnológicas e científicas dos trabalhadores e da intelectualidade socialista, pelos grandes e impressionantes triunfos da revolução, do socialismo e dos comunistas.

Nessa conjura contra Stálin, sobre cujo nome se combatia o comunismo, se destacou por sua maledicência e persistência a propaganda nazista que não deixava passar um dia sequer sem lançar suas malditas calúnias.

Esse ódio contrarrevolucionário e anticomunista caracterizou também Trotski e seus seguidores.

Pouco depois da morte de Stálin se somavam ao coro dos reacionários e anticomunistas de todos os países que sempre o insultaram, as vozes dos “comunistas” que ascenderam à direção do Partido e do Estado soviético.

Desde então, até nossos dias, o anti-stalinismo é a voz recorrente de todos os reacionários, dos ideólogos da burguesia, dos trotskistas, dos revisionistas e dos oportunistas de todas as cores.

Atacando Stálin se pretende derrubar as extraordinárias realizações do socialismo na União Soviética e no que fora o campo socialista, se quer minimizar e, inclusive, ignorar as grandes contribuições do Exército Vermelho e dos povos soviéticos na luta decisiva contra o nazismo, tenta-se denegrir o partido comunista e o regime socialista como totalitários, como negação da liberdade e da democracia. Em nome de Stálin se ataca Lênin, Marx e o socialismo. Difamar Stálin como um burocrata e sanguinário significa atacar a ditadura do proletariado e, com isso, negar a liberdade dos trabalhadores e dos povos, a democracia socialista. Caluniar Stálin como um ignorante e medíocre é desconhecer suas grandes contribuições à teoria revolucionária, ao marxismo-leninismo. Atacar Stálin significa negar a necessidade da existência e da luta do partido comunista, transformá-lo em um movimento de livre pensadores e anarco-sindicalistas, lhe tirar sua essência leninista, o centralismo democrático.

O cúmulo do anti-stalinismo é tachar de stalinistas a quem traiu a revolução e o socialismo em nome de acabar com os “crimes de Stálin” e fazer da União Soviética um “país democrático”. A estupidez dos reacionários e dos oportunistas não lhes permite distinguir que Kruschev, Breshnev, Gorbachov e Yeltsin, confessos anti-stalinistas, destruíram pedra por pedra a grande obra da classe operária e dos povos soviéticos, dos comunistas, de Lênin e de Stálin.

Os ataques a Stálin são de tal magnitude que, inclusive, um número importante de lutadores sociais, de esquerdistas e de revolucionários tem sido vítima de suas mentiras. No fundamental, trata-se de pessoas sinceras, interessadas na libertação social e nacional mas que desconhecem a personalidade e a obra de Stálin e, por isso, fazem coro a várias dessas tergiversações. Trata-se também de alguns revolucionários pequeno-burgueses que atacam Stálin a partir de posições pretensamente “humanistas”.

Aos comunistas de agora corresponde defender a verdade revolucionária sobre Stálin, já que somos seus camaradas, seus continuadores.

Pablo Miranda, 1º Secretário do PCMLE

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes