UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 2 de julho de 2022

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura“Nós não queremos torturar, queremos justiça”


No dia 8 de setembro, 300 pessoas participaram de um importante ato Pela Punição dos Torturadores e Assassinos da Ditadura Militar e em homenagem aos militantes do Partido Comunista Revolucionário assassinados pela Ditadura Militar. O mês de setembro foi escolhido por ser o mês do assassinato de dois dos mais importantes fundadores do PCR, Manoel Lisboa de Moura e Emmanuel Bezerra dos Santos, mortos pela ditadura em 4 de setembro de 1973.
Estiveram presentes como debatedores os companheiros Ivan Seixas, Coordenador do Núcleo de Memória Política e membro da Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva de SP; Rafael Martinelli, Presidente do Fórum dos ex-Presos e Perseguidos Políticos e fundador da ALN; Amelinha Teles da Comissão dos Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos e também integrante da Comissão Estadual da Verdade-SP, e do companheiro Luiz Falcão, diretor de redação do Jornal A Verdade e membro do Comitê Central do PCR.

A maioria dos presentes no ato eram militantes da União da Juventude Rebelião (UJR) e do PCR dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e dezenas de entidades dos movimentos populares, sindicais e estudantis com destaque para UNE, UBES, FENET, MLB, MLC, Movimento Olga Benário e dezenas de Centros Acadêmicos, DCE´S, Grêmios, Associações de Moradores e sindicatos.

As falas dos debatedores foram cheias de energia revolucionária e transmitiram grande força e emoção aos presentes.

A companheira Amelinha Teles ressaltou a luta travada pelos familiares desde a década de 80 para que os corpos dos militantes desaparecidos fossem identificados e entregues a seus familiares para que estes lhes dessem um digno sepultamento, e concluiu afirmando que “Muitos casos ainda não foram resolvidos e é fundamental continuarmos a luta para que tudo seja esclarecido e os responsáveis por tudo isso sejam punidos”.

Dando sequência Ivan Seixas, falou da luta travada ontem e hoje contra as torturas e por uma sociedade com justiça social e denunciou que hoje o Estado e a Polícia continuam matando e torturando nossos jovens nas periferias das grandes cidades. “É fundamental que o PCR assuma esta tarefa e juntos possamos trabalhar para punir os assassinos e torturadores de Manoel Lisboa e dos demais companheiros do PCR”. “Nós não queremos torturar como eles fizeram conosco, queremos apenas que seja feita justiça, que eles sejam condenados e punidos. Querer justiça não é revanchismo”, afirmou Ivan.

Rafael Martinelli falou sobre a traição de classe ocorrida com o revisionismo soviético e que é necessário construir um partido verdadeiramente revolucionário. “Neste sentido acredito que o PCR está no caminho correto, fico emocionado quando vejo tantos jovens, gente dos bairros, sindicalistas, estudantes de vários cantos e todos com o mesmo propósito”.

Outro momento de grande emoção do ato foi quando o companheiro Luiz Falcão, representando o Comitê Central do PCR, relatou todos os sofrimentos e torturas sofridos pelos companheiros Manoel Lisboa, Amaro Luiz de Carvalho, Emmanuel Bezerra, Amaro Félix e Manoel Aleixo e ressaltou que eles deram suas vidas para acabar com a miséria do povo e pela construção do Socialismo. “Neste momento em que o capitalismo atravessa sua maior crise desde a crise de 1929, que promove guerras, massacra povos como fez no Iraque, no Afeganistão, na Líbia e deixa milhões de seres humanos sem água e comida, joga no desemprego milhões de jovens, mais do que nunca é necessário reafirmarmos nosso compromisso com a construção do socialismo. Por isso, este ato é também para renovar nosso compromisso de continuar essa luta. Pouco antes de morrer, Manoel Lisboa falou com a companheira Maria do Carmo e nos deixou sua última palavra de ordem, pediu para que continuássemos o trabalho do partido. Hoje, Manoel, o PCR conta com centenas de militantes em todos os cantos do país reafirmam esse compromisso com a causa pela qual deste tua vida.”

Em todos os momentos do Ato a plateia manifestou muita combatividade e emoção. Várias falas, palavras de ordem, declamação de poesia e bandeiras vermelhas com o rosto dos nossos heróis tremulavam enchendo o ambiente de energia revolucionária. Por fim, a comemoração foi encerrada com uma grande festa ao ritmo dos tambores do samba e da voz da Negra Dija que fez todos dançarem, se confraternizarem e se prepararem para as lutas que avançam a cada dia.

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

PCR realiza homenagem aos heróis assassinados pela Ditadura

Wanderson Pinheiro, São Paulo

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. parabéns! a luta está ai e tem de ser travada por alguém como vocês, os mortos da ditadura concerteza devem sentir-se privilegiado por esse partido tão bonito.
    Anita 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes