UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quinta-feira, 7 de julho de 2022

Os guarani-caiovás e o genocídio dos povos indígenas

Os guarani-caiovás são o segundo povo indígena mais numeroso do Brasil, possui uma população total de cerca de 43 mil, que além do número considerável de suicídios, vive violência constante dos grandes latifundiários brasileiros.

Em janeiro deste ano, o STF suspendeu a demarcação de mais de 90% da reserva Arroio-Korá, no Mato Grosso do Sul. No mês de outubro, os guarani-caiovás escreveram uma carta ao Supremo Tribunal Federal, na qual claramente reconhece que a justiça brasileira serve a uma classe, e essa classe não é a dos indígenas:

“Fica evidente para nós que a própria ação da Justiça Federal gera e aumenta as violências contra as nossas vidas,  ignorando os nossos direitos de sobreviver à margem do rio Hovy e próximo de nosso território tradicional Pyelito Kue/Mbarakay. Entendemos claramente que esta decisão da Justiça Federal de Navirai-MS é parte da ação de genocídio e extermínio histórico ao povo indígena, nativo e autóctone do Mato Grosso do Sul, isto é, a própria ação da Justiça Federal está violentando e exterminado e as nossas vidas. Queremos deixar evidente ao Governo e Justiça Federal que já perdemos a esperança de sobreviver dignamente e sem violência em nosso território antigo; não acreditamos mais na Justiça brasileira”.

Os argumentos utilizados pelos representantes do agronegócio, que foram cegamente acatados pela Justiça Federal, são os de que, em 1988, quando a Constituição vigente passou a existir, os guaranis não estavam nas terras. Contudo, tais argumentos não possuem solidez alguma, pois, segundo Antônio Brand, professor da Universidade Católica Dom Bosco, em Campo Grande, o Serviço de Proteção aos Índios (SPI) reconheceu extensões de terras como sendo da população indígena desde 1915, e que tais conquistas foram gradualmente reduzidas, e, na maioria dos casos, com permissão de órgãos oficiais. Além disso, segundo o antropólogo Levi Marques, a população indígena sofre pressão por parte dos grandes latifundiários desde a década de 1960, sempre com atos de violência e humilhação.

É de uma hipocrisia sem tamanho utilizar um argumento temporal pontual contra um povo que sofre um genocídio histórico desde a invasão dos europeus à América Latina. Um povo que lutou e continua lutando incansavelmente por seu direito à vida digna de continuar em suas terras, mesmo que em condições precárias, tendo que servir de mão de obra barata aos capitalistas da agroindústria.

O caso dos guarani-caiovás se soma à interminável lista de injustiças cometidas nessa sociedade, uma sociedade que dá prioridade ao conforto e ao lucro de uma meia-dúzia de capitalistas, em detrimento do povo trabalhador. É preciso denunciar essa situação, para que todos e todas percebam a importância da organização do povo para mudar essa realidade, para impedir que o povo indígena seja exterminado por conta da ganância por lucros dos latifundiários de hoje, que são netos e bisnetos dos escravistas de ontem.

Mariana Mendes é militante da UJR e estudante de geografia da UFSCar – Sorocaba

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes