UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 2 de outubro de 2022

A economia alemã à beira da recessão

A economia alemã à beira da recessãoA economia alemã continua praticamente estagnada e à beira da recessão, de acordo com o Gabinete Oficial de Estatísticas, que divulga dados contrariando muito em baixa as previsões oficiais do governo de Angela Merkel.

A economia alemã cresceu apenas 0,7 por cento em 2012 e a atividade econômica sofreu mesmo uma contração de 0,5 por cento no último trimestre do ano. O governo previra um crescimento bastante superior, de 1,6 por cento, e o valor do ano passado fica muito aquém do crescimento oficial de 3,1 por cento em 2011, já corrigido por todos os ajustamentos.

Ainda antes de o governo anunciar as suas previsões para 2013 o Bundesbank, banco central, limitou para já as do crescimento econômico a 0,5 por cento. As quedas de 2012 foram as mais elevadas desde o período de recessão de 2009, admitindo-se que a Alemanha consiga escapar ao resto da recessão, ao contrário do resto da Zona Euro, devido aos últimos registos sobre a subida de confiança dos empresários. Essa tendência pode no entanto ser contrariada pelo efeito devastador dos projetos do governo Merkel de cortar mais seis mil milhões de euros no setor público em 2013, com novos aumentos de impostos, o que irá atingir em cheio o já debilitado consumo privado, salários e emprego. A chanceler afirma que o objetivo é atingir o “déficit zero” a todo o custo.

A quebra de atividade da economia alemã decorre, segundo os dados divulgados no país, da crise da Zona Euro, cuja existência foi negada pelo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, nas suas mais recentes declarações em Portugal.

Devido à situação econômica na Eurozona, e sobretudo aos efeitos da austeridade, as exportações alemãs cresceram o ano passado apenas 4,1 por cento, contra 7,1 por cento em 2011; as importações cresceram ainda menos, não foram além de 2,3 por cento.

O consumo privado cresceu 0,8 por cento, menos de metade do que em 2011; o investimento recuou, sobretudo em bens de equipamento, cuja queda foi de 4,4 por cento.

Fonte: BE Internacional

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes