UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

terça-feira, 5 de julho de 2022

Greve dos eletricitários da Paraíba atinge grande mobilização

greve pb 02
Wilton Maia, presidente do Stiupb

Em campanha salarial desde setembro de 2012, os eletricitários da Paraíba decidiram cruzar os braços na última segunda-feira, dia 18. A greve é organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (Stiupb) e atingiu oito cidades-polos da Energisa, empresa que presta serviço de distribuição de energia em todo o Estado. A exceção é a capital João Pessoa, cujo sindicato local já assinou um Acordo Coletivo tal qual propuseram os patrões, sem fazer sequer uma assembleia para aprová-lo.

A paralisação mobilizou 100% dos trabalhadores em algumas cidades e, em Campina Grande, principal base do Stiupb, apesar do grande embate com a empresa, o piquete contou com a adesão da maioria dos funcionários. Na cidade, a Energisa tentou, a todo o momento, obrigar os funcionários a trabalhar, ameaçando-os de demissão, mas o sindicato realizou uma grande agitação com carro de som na porta da empresa, restando a ela ingressar na Justiça do Trabalho com um pedido de ilegalidade do movimento. A Justiça, por sua vez, negou o pedido, mas ordenou, através de liminar, que fosse liberado 40% do efetivo de trabalhadores, alegando se tratar de um setor de serviços essenciais. Caso o sindicato descumpra a determinação, teria que pagar multa diário de R$ 20 mil.

Segundo Wilton Maia, presidente do Stiupb, “nós já conquistamos nossa maior vitória nesta greve, que foi unir definitivamente a categoria com o sindicato. Estamos enterrando o passado de conchavos com as empresas para vender a campanha salarial, que era a prática das antigas diretorias. Neste ano, não esperamos grandes vitórias econômicas, mas estamos determinados a impor à empresa que respeite a dignidade dos trabalhadores, acabando com o assédio moral, as demissões em massa e a terceirização, além de fazer valer o princípio da isonomia, pois existem muitas distorções entre trabalhadores de um mesmo setor ou cidade, alguns recebendo certos benefícios que são negados a outros”.

A greve conta com o apoio do Movimento Luta de Classes (MLC), do Partido Comunista Revolucionário (PCR), do Movimento de Luta nos Bairros (MLB), da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e de outros sindicados da Paraíba, como os sindicatos da limpeza urbana, dos jornalistas, dos metalúrgicos e dos servidores municipais.

Rafael Freire

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes