UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Ocupação em Diadema conquista vitória

Diadema 2Cerca de 200 famílias organizadas pelo Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) de Diadema realizaram uma ocupação de protesto, no dia 4 de maio, no bairro de Eldorado. A ocupação recebeu o nome de Lucineia Xavier, uma lutadora do movimento falecida em 2010.

O MLB organizou a primeira ocupação na cidade em 2008 e uma segunda em 2010 e, desde então, abriu negociação com a Prefeitura, debatendo um projeto que atendesse a famílias pobres da região. Atualmente, o processo de desapropriação já conta com depósito judicial de R$ 500 mil, referente ao pagamento do valor venal da área, faltando apenas concluir o depósito da diferença da avaliação judicial. Para tal, já existe verba aprovada de forma unânime pelos conselheiros do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (Fumhabis). Desde o começo do ano, porém, a atual gestão da Prefeitura – do Partido Verde – pediu dois adiamentos desse projeto.

Por isso, cansadas de esperar e temendo que a Prefeitura voltasse atrás em relação às conquistas que o Movimento já obteve, as famílias decidiram realizar a ocupação, que durou quatro dias. Nos dois primeiros dias, a Polícia agiu com truculência, impedindo que as pessoas que haviam saído, e até mesmo as crianças que iam usar o banheiro, entrassem novamente no terreno. Os alimentos eram revistados com muita brutalidade, sendo colocados muitas vezes no chão.

No entanto, a ocupação também contou com enorme solidariedade: os vizinhos ao redor do terreno cederam água e alimentos. A Central de Movimentos Populares (CMP) esteve presente em todos os momentos, desde a ocupação até o final. Alguns vereadores deram apoio, em especial Orlando Vitoriano (PT). A Defensoria Pública do Município, a OAB e o Conselho Tutelar também estiveram lá para defender as famílias.

Já no dia 6, o movimento realizou um grande ato ecumênico em apoio à ocupação. Centenas de pessoas participaram. Neste mesmo dia, o Movimento foi atendido pelo prefeito Lauro Michels, pelo secretário de Habitação e pelo secretário de Assuntos Jurídicos, entre outros. Nessa reunião ficou acordada a continuidade do projeto, bem como todos os trâmites necessários até a construção das moradias. O prefeito foi até o terreno para se comprometer pessoalmente.

Este processo, que culminou com a ocupação, foi uma grande prova de que apenas organizado e em luta é que o povo pode conquistar o que necessita. A ocupação, nesses poucos dias, já tinha cozinha coletiva, banheiros, pia para lavar a louça, ruas e um espaço para as assembleias, que ocorriam diariamente, pela manhã e à noite.

A ocupação era composta, em sua maioria, por mulheres, que, com seus filhos no braço ou correndo e brincando, construíram barracos, cozinharam, enfrentaram a Polícia e se fizeram ouvir nas assembleias e reuniões. A ocupação também mostrou que os trabalhadores são imensamente solidários. Todos se tornam responsáveis pelas crianças; todos dividiram o alimento, cobertores, ferramentas. Deram demonstrações de enorme criatividade, improvisando infraestrutura necessária para se viver dignamente sob barracos de madeira e lona.

Está aí uma demonstração de que uma nova sociedade, igualitária, fraterna, justa e solidária, é possível. Os trabalhadores e trabalhadoras que estiveram na Ocupação Lucineia Xavier, enfrentando frio, ventania e chuva, agora têm certeza disso.

Carol Vigliar, São Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes