UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 3 de dezembro de 2022

O dízimo do petróleo

Consideram alguns brasileiros que o uso do anglicismo ou galicismo na construção de uma frase traz um poder de elegância e de conhecimento. Puro idiotismo! No “economês” e em algumas ciências isso é frequente, pela falta de brasilidade, uma tentativa de tumultuar o processo de entendimento das pessoas mais ciosas para com nosso idioma e interesses do País. Enquanto espalham a palavra royalties, ao invés de dízimos, para esclarecer que apenas 10% do petróleo extraído e comercializado pelas transnacionais são carreados para o Brasil. Os 90% restantes ficam com cada uma das operadoras estrangeiras, vencedoras do festival de entrega de nossa soberania no setor energético.

A forma é bem parecida à época em que os portugueses procuravam localizar as reservas auríferas no Brasil. A Coroa ofertava com o dízimo ao donatário da Capitania Hereditária que as encontrasse. O Governo de Mem de Sá renovou os incentivos e a primeira tentativa de concreto se deu por volta de 1648, numa proposital incursão de Fernando Furtado – embora seja atribuída a outros nomes – a terras de Minas Gerais, hoje. Ele chefiava cerca de 50 homens, e nada de positivo. Novas missões foram empreendidas, seguidas de frustrações e sucessos, até que a chave da riqueza foi encontrada, bem mais tarde, pelos bandeirantes da vila paulista de São Vicente. Gente de vários pontos da Colônia, atraída pela projeção do achado, deslocou-se para lá, formando a comunidade forasteira, seguindo-se escaramuças e a Guerra dos Emboabas, que nós conhecemos.

Apesar da geração de conflitos, como a Conjuração Mineira, na avaliação do barão de Eschwerge, juntas algumas capitanias produziram, em 1820, 65.417 arrobas. Cada mineiro deveria recolher, anualmente, 100 arroubas à Real Fazenda. O ouro brasileiro era esbanjado em Portugal e na Europa.

Técnicos da ANP, de que é diretora Magda Chambriard, uma apologista do entreguismo, vão ganhando tempo para organizar  a farsa dos royalties, ou melhor, dos dízimos. Enquanto matutamos no seu significado, numa legislação de lesa-pátria, herança de FHC, leiloam blocos de exploração de petróleo, representados em 30 bilhões de barris, só nessa 11ª rodada, com um prejuízo de R$ 1,5 trilhão, para a Nação. Já é tarde, o conto do vigário está consumado. Nunca um dirigente do Brasil teve em suas mãos tantos recursos monetários como teria a presidente Dilma, se não houvesse jogo sujo do martelo. Nem os governadores gerais, regentes, imperadores, ditadores de plantão e presidentes de República tiveram tamanha chance de levar, definitivamente, o Brasil ao futuro, se o dinheiro arrecadado do petróleo, retirado de seu território, de jazidas da Petrobras, fosse repatriado.

Inocêncio Nóbreja, Maceió

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes