UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sábado, 26 de novembro de 2022

“Fora Cabral”, grita povo nas ruas

Fora Cabral!O País inteiro tem acompanhado com atenção as manifestações populares contra o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Ao longo das últimas semanas, centenas de pessoas têm literalmente tirado o sono do governador, ocupando por diversas vezes a frente do prédio onde mora no Leblon, bairro nobre da Zona Sul carioca, exigindo sua renúncia. O clamor pelo “Fora Cabral” é consequência de anos de um governo marcado pelo autoritarismo e a repressão ao movimento social.

Nos últimos anos, a população do Rio de Janeiro tem sofrido com uma sensível piora dos serviços públicos prestados. A educação, por exemplo, chegou a amargar a 26ª posição no ranking nacional de qualidade (hoje estamos na 16ª colocação), apesar de o Estado ser o segundo mais rico do País. A saúde está um caos e até hospitais foram fechados pelo Governo, a exemplo do Instituto de Assistência dos Servidores do Rio de Janeiro (Iaserj), que atendia funcionários e servidores públicos. Nem mesmo o Museu do Índio, patrimônio histórico e cultural, e os indígenas que o habitavam foram poupados, bem como o Maracanã, o nosso “Maraca”, que foi privatizado e hoje é privilégio de poucos.

A política de segurança pública, tida como a “menina dos olhos” do Governo, na verdade, tem como prioridade as áreas mais valorizadas, onde vivem as classes ricas, reservando às comunidades pobres o crescimento da violência e da repressão policial. De acordo com a OAB/RJ, na comparação com os seis primeiros meses de 2006 e 2007, o Governo registrou menos prisões (-23,6%), menos armas apreendidas (-14,3%) e mais mortes (33,5%) no Rio de Janeiro. A clara opção de classe da política de segurança de Sérgio Cabral é expressa pelo secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, que, logo após uma operação policial que deixou 13 mortos nas favelas da Coreia e Taquaral, afirmou que “um tiro em Copacabana é uma coisa; um tiro na favela da Coreia é outra”.

O povo contra Cabral

Por tudo isso, e pelos constantes casos de corrupção e mau uso das verbas públicas, o governador Sérgio Cabral virou o principal alvo das manifestações que têm ocorrido no Rio de Janeiro. A resposta do Governo tem sido constantemente violenta, o que anima ainda mais os manifestantes a continuarem nas ruas e tem jogado cada vez mais a opinião pública contra o governador.

No dia 2 de julho, no complexo de favelas da Maré, mais de três mil pessoas protestaram contra a violência policial que matou 10 moradores durante uma operação do Bope. No dia 11 de julho, após a manifestação do Dia Nacional de Lutas convocado pelas centrais sindicais ser reprimida pela Polícia Militar, mais de duas mil pessoas foram ao Palácio Guanabara, sede do Governo, em repúdio à violência. Novos confrontos aconteceram, e até uma bomba de gás lacrimogêneo foi jogada pela Polícia num hospital. No último dia 22, mais uma manifestação na porta do Governo. Com o papa dentro do palácio, milhares de pessoas protestaram contra os gastos públicos com a Jornada Mundial da Juventude e contra a homofobia. Menos de 20 minutos após a saída do papa, novamente a Polícia Militar desatou uma feroz repressão contra os manifestantes.

Para intimidar as manifestações, o governador Sérgio Cabral chegou a nomear uma Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas (Ceiv), com poderes de quebrar os sigilos telefônicos e de internet dos “suspeitos” sem autorização judicial. Imediatamente entidades defensoras dos direitos humanos reagiram contra esta medida ilegal e fascista e conseguiram derrubar o decreto.

O povo tem ido às ruas exigir mais direitos; está cansado de toda essa violência e quer soluções verdadeiras. Exige o fim da atual política de segurança pública, que garante paz aos ricos e morte, terror e violência aos pobres; exige uma educação e saúde de qualidade, bem como transportes públicos decentes, o fim da corrupção, da privatização do Maracanã e o arquivamento de todos os processos contra os manifestantes. 

Rafael Coletto, Rio de Janeiro

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. Concordo que muita coisa pode melhorar, mas indiscutivelmente nos últimos 10 anos o Rio melhorou muito.. Não dá pra resolver décadas de descaso em apenas 8 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes