UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Trabalhadores da Cemig realizam greve

CEMIG em greveOs trabalhadores da Companhia de Energia de Minas Gerais (Cemig) paralisaram suas atividades por tempo indeterminado. Desde o governo de Aécio Neves, a política do Estado tem sido de “terra arrasada” no que diz respeito a essa empresa. A Cemig já teve mais de 20 mil funcionários, mas hoje emprega cerca de oito mil, e mais do triplo da categoria é de terceirizados, que não recebem treinamento adequado para lidar com esse serviço. O resultado é que, a  cada 45 dias, morre um trabalhador, em sua maioria terceirizados.

Com essa opção política do Governo, cinco trabalhadores diretos morreram este ano, e, ao todo, são 114. Esta é apenas mais uma consequência da opção da Cemig de destinar todos os seus recursos aos acionistas da empresa e seus parceiros, como a Andrade Gutierrez, a principal responsável por esse derrame de sangue.

O absurdo chegou a tal ponto que a Cemig lucrou R$ 3 bilhões no período de 2012 a 2013 e, incrivelmente, vai passar R$ 4 bilhões a seus acionistas, ou seja, mais de 100%. Enquanto isso, a direção da empresa não negocia com os trabalhadores, representados pelo Sindieletro-MG, e oferece como reajuste somente o percentual de reposição da inflação, 7%.

Com tantas mortes, acidentes e saques ao patrimônio público, os trabalhadores da empresa aprovaram a greve por tempo indeterminado, iniciando um intenso processo de mobilização. No primeiro dia de greve – 25 de novembro, a paralisação atingiu 100% em alguns setores, o que fez a categoria se levantar também no interior do Estado. Em todas as regionais onde atua o sindicato, as paralisações ocorreram com passeatas e trancamento das principais vias das cidades. Em Belo Horizonte e região metropolitana, as passeatas continuaram com muita força e mobilização.

A resposta da empresa, até o momento, foi apresentar uma lista com 126 nomes de trabalhadores que serão demitidos, mas nenhum diálogo, assim como faz o governo do PSDB. Só que os trabalhadores não se intimidaram, e continuam a lutar por seus direitos, realizando uma greve muito combativa em favor da defesa da vida da classe trabalhadora.

Renato Campos, Belo Horizonte

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes