UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 3 de outubro de 2022

Mery Zamora, Ex-presidente da UNE do Equador, é julgada inocente

Mery_Zamora_inocentePor mais de 4 anos, a justiça do Equador, manipulada pelo presidente Rafael Correa, perseguiu a professora e ex-presidente da União Nacional dos Educadores – UNE, Mery Zamora. Sob o pretexto dos acontecimentos de 30 de Setembro de 2010, quando uma manifestação popular ocorrida em várias provinciais pôs em cheque o governo, buscava-se calar a voz de uma mulher, mãe e professora que desafiou o poder quando foi presidente da UNE e dirigente do Movimento Popular Democrático – MPD. Hoje, essa mesma justiça, através do Tribunal da Corte Nacional de Justiça, extingue a ação declarando a inocência de Mery Zamora.

Segundo Luís Villacis, presidente do MPD, Mery Zamora sempre foi inocente. Imputaram-lhe um delito que não cometeu em um claro exemplo de criminalização dos lutadores sociais, uma política de Estado no país. Fica desmascarado a submissão da justiça que, a amigos do Presidente, ex-ministro acusados de corrupção o sentenciam a apenas 3 meses e multa de 190 dólares pelo crime de peculato, enquanto o mesmo Tribunal Penal de Guayas havia condenado Zamora a 8 anos de prisão.

Mery Zamora é uma professora que nos ensinou com o exemplo. Sua inocência deixa claro a justeza da lua do MPD e dos dirigentes sociais perseguidos. Luís Villacis agregou que em várias cidades como Guayaquil, Machala, Portoviejo, Cuenca, etc se realizaram plantões de solidariedade com Mery Zamora. Segundo Vilacis, o MPD está hoje mais unido e disposto a continuar com o exemplo de homens e mulheres valente que não têm medo do poder, a luta continua em defesa dos presos e perseguidos políticos do governo de Correa, pela educação e saúde, em defesa da água, contra a política extrativista, em defesa dos direitos humanos, por el Yasuni, etc.

Para Zamora, “em mais de uma ocasião demonstrei a Rafael Correa minha dignidade e valentia para enfrentar as agressões de um estado autoritário, o ódio político de um presidente que pretende eternizar-se no poder e que hoje, a revolta popular, as contantes denúncias de violação dos Direitos Humanos, a resistência e a luta dos que pensam diferente vêm dando seus frutos”.

Mais informações em www.ecuadorlibrered.tk

 

Redação

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes