UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 7 de dezembro de 2022

Motorista que fez greve teve aumento acima da inflação

Greve rodoviáriosMotoristas e cobradores de ônibus de nove capitais e o ABC paulista em greve conseguiram reajustes salariais acima da inflação acumulada nos últimos seis anos.

Em algumas cidades, como a capital paulista o aumento real que chegou ao bolso da categoria é quase o dobro do que receberam, em média, os trabalhadores de outros 600 sindicatos.

Os dados fazem parte de levantamento feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos).

O levantamento considera a inflação medida pelo INPC (do IBGE), o indicador mais usado nos acordos salariais.

Neste ano, os motoristas de São Paulo conseguiram 10% de reajuste ante inflação de 5,8% –ou 4% de aumento real. Com isso, o piso de um motorista foi para R$ 2.079 –R$ 124 a mais do que em 2013. O do cobrador subiu R$ 40.

Mesmo aprovado em assembleia, o acordo gerou revolta e os rodoviários resolveram fazer a greve mesmo sem a direção do sindicato.

“É um absurdo o motorista de ônibus da maior cidade do país ganhar essa miséria”, diz Luís Pereira Lima, motorista que aderiu à greve.

No Rio, onde também ocorreram paralisações radicais promovidas por dissidentes, o aumento deste ano foi igualmente significativo: 4,4% acima do INPC. De 2009 a 2014, o ganho real dos motoristas cariocas foi o maior na comparação entre as nove capitais e o ABC –alta de 24,6%.

O menor ganho real entre as cidades pesquisadas foi de 1,3%, em Manaus, onde não houve greve. Na média, o ganho acumulado no período nas regiões foi de 10,2%.
Somente em três cidades, em anos diferentes, os acordos salariais ficaram abaixo da a inflação: Manaus, São Luís e Florianópolis.

“O que ocorre com os motoristas deve acontecer com várias categorias com data-base em maio e junho. Os trabalhadores estão de olho na Copa e eleições para ampliar suas conquistas”, diz o economista José Silvestre Prado de Oliveira, coordenador de relações sindicais do Dieese.

Na última Copa e na Olimpíada de Londres, uma onda de paralisações também afetou o transporte público.

Fonte: Folha de S. Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes