UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

Greve da USP já dura 70 dias contra descaso do governo Alckmin

Funcionários da USP em assembleia.
Funcionários da USP em assembleia.

Nesta quarta-feira, a greve da USP de professores, funcionários e estudantes chega ao seu 72º dia, mas para a reitoria da universidade e para o governo do estado, parece que tudo está normal.

A última segunda-feira, 4 de agosto, deveria ser o dia de retorno às aulas na universidade, mas – exceto para algumas unidades tradicionalmente conservadoras – foi o dia de refortalecer a luta por transparência, democracia, cotas e contra a crise financeira e política da USP.

Já para o governador Geraldo Alckmin, e o reitor, Marco Antonio Zago, foi dia de fingir que a Cidade Universitária funciona normalmente. Na mensagem enviada por e-mail à comunidade o reitor sequer cita a crise atual que levou a esta que já é uma das mais longas greves da história da universidade.

Pelo contrário, dá as boas-vindas ao segundo semestre afirmando que está tomando medidas para manter a USP como a maior da América Latina. Não economiza na cara-de-pau ao afirmar que “temos que comemorar, pois começamos o segundo semestre sob a égide de uma ótima notícia: a volta da EACH ao campus da USP Leste”, sem dizer que o campus continua contaminado com terras do Templo de Salomão. Ressalta com grande destaque que a USP “tem proporcionado, a mais de 6500 alunos, acesso a diferentes modalidades de bolsas, que permitem sua manutenção na universidade e consolidam as políticas de assistência estudantil”, sem dizer que a USP conta com cerca de 80 mil estudantes, sendo que nenhum dos calouros de Medicina é negro e que até hoje o prédio da antiga reitoria não foi devolvido à moradia estudantil.

Outro e-mail traz vídeo gravado com o vice-reitor, que até cita a crise, mas coloca que a superação depende de toda comunidade. Da parte da comunidade ele indica aceitar os cortes, se contentar com o reajuste de 0%. Afirma claramente: “…O que devemos realizar, e já estamos realizando, é não ampliar a nossa folha de pagamento e reduzir as despesas de custeio…”. Por parte do governo e da reitoria ele afirma: “O governo respondeu que cumpre de forma efetiva o repasse estipulado pela Assembleia Legislativa. O que podemos (reitoria) afirmar…” em resposta aos questionamentos justos sobre o repasse do ICMS que sustenta a USP. Não é demais lembrar que o governador Alckmin é acusado de não repassar as verbas públicas para a Santa Casa, que chegou a fechar o Pronto-Socorro.

Os trabalhadores, professores e estudantes por outro lado não tem medo de defender a greve e dizer o que é preciso fazer para resolvê-la. Todos os dias, em todas as assembleias e nas atividades que foram organizadas para o reinício das “aulas” a mensagem é uma só: Alckmin, aumente o repasse de verbas para a USP. Zago, negocie um reajuste salarial de verdade! Ou a USP ficará parada.

A adesão à greve só cresce. São piquetes feitos nas unidades, trancaços no P1 (portão principal da Cidade Universitária que dá acesso ao Campus e é utilizado pela população que circula pela Marginal e por rodovias da região), salas de aula fechadas e professores dando aulas sobre democracia e crise nos auditórios e até mesmo as Congregações das unidades reforçando o coro contra a falta de reajuste salarial. A Congregação da FFLCH enviou por e-mail uma carta aberta em que o Diretor da unidade e 11 chefes de departamento dos cursos de História, Geografia, Ciências Sociais, Filosofia e Letras, cobram da reitoria que deixe de citar apenas a falta de verbas e passe a apresentar planos e propostas de saída para a crise, além do detalhamento dos gastos da universidade.

A reitoria afirma que só voltará a falar sobre o assunto na próxima reunião de negociação, marcada para setembro e ameaça cortar o salário dos grevistas. Até lá a USP continuará em greve. E os três setores da comunidade, esse sim, unidos na luta por uma USP que honre seu passado de 80 anos, alcançando um futuro de democracia, remuneração justa, cotas sociais e raciais, gratuidade e excelência no ensino.

Lucas Marcelino, estudante do curso de Letras da USP e diretor da União Nacional dos Estudantes – UNE.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes