UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Nenhuma a menos!

img-20161024-wa0106Na última quarta-feira, dia 19 de outubro, mulheres argentinas, chilenas, uruguaias, mexicanas, guatemaltecas de vários países da América latina – inclusive no Brasil – saíram às ruas para condenar a violência de gênero e gritar ao mundo “ni una menos” (nenhuma a menos). A motivação do protesto foi o assassinato de uma adolescente argentina de 16 anos, que sofreu estupro coletivo e foi empalada até a morte. Uma Greve Geral foi deflagrada e o protesto reuniu milhares de mulheres, que tinham um único objetivo: dar um basta na violência de gênero.

Na noite desta mesma quarta-feira, a polícia encontrou o corpo de Ana Paula Coelho – 45 anos, mãe de três filhos – dentro de uma mala em sua residência, no bairro Vila Nova Divinéia/ São Bernardo do Campo. Suspeita-se que Ana Paula foi assassinada por um vizinho, com quem havia terminado um relacionamento há dois meses.

Esse é mais um caso de feminicídio. Este é o nome dado às mortes de mulheres decorrentes de conflitos de gênero, ou seja, pelo fato de serem mulheres. O termo passou a ser reconhecido em março de 2015, com a sanção da lei 13.104 que alterou o código penal tipificando o homicídio qualificado com essas características. Estes crimes são geralmente perpetrados por homens, principalmente parceiros ou ex-parceiros, e decorrem de situações de abusos no domicílio, ameaças ou intimidação, violência sexual, ou situações nas quais a mulher está em vulnerabilidade em relação ao agressor.

Segundo dados publicados em um documento elaborado através de uma parceria entre o Governo Brasileiro e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) em abril de 2016, o Brasil tem a quinta maior taxa no mundo. Os dados expostos pelo Mapa da Violência 2015 apontam que o índice de mortalidade feminina por feminicídio é de 4,8 a cada 100 mil mulheres. Neste mesmo estudo, a situação se agrava ainda mais quando olhamos para a realidade das mulheres negras: estima-se que na década 2003-2013, os assassinatos tenham aumentado em 54%; ou seja, passou de 1.864 assassinatos em 2003 para 2.875 em 2013.

Também é preciso apontar que essas estatísticas se apresentam como estimativa, já que a tipificação deste tipo de crime é algo muito recente. Muitas vezes o feminicídio não é na notificado nem noticiado pela imprensa como deve, já que muitas pessoas desconhecem esse termo. Por isso, tão importante quanto a sanção da lei que desvela essa realidade sobre a violência de gênero, é importante divulgar e debater essa situação com a sociedade e, principalmente, com as mulheres – que são os alvos dessa violência, mas muitas vezes não conseguem reconhece-la.

O Movimento de Mulheres Olga Benário, que atua no bairro do Vila Nova Divinéia, em conjunto com a Escola Municipal Marly Buyssa, promoveu um debate na noite de ontem (24) com alunos da Comunidade para discutir a violência de gênero. Deste debate, a própria comunidade apontou para a importância de construir um ato para denunciar essa situação e chamar outras mulheres para essa luta. O ato ainda não tem data, mas deve ocorrer nos próximos dias.

Movimento de Mulheres Olga Benário, São Paulo

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes