UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Mulheres vão às ruas de Campinas contra o machismo e a misoginia

20170105_192125Na noite do último dia 05 de janeiro, cerca de 1.500 pessoas foram às ruas de Campinas, interior de São Paulo, em defesa dos direitos das mulheres e em combate ao machismo e à misoginia. A manifestação, organizada por mais de 40 coletivos, foi motivada pela chacina ocorrida na cidade na noite da virada do ano, quando Sidnei Ramis de Araújo, 46 anos, matou a ex-esposa, Isamara Filier, de 41 anos, o próprio filho, João Victor, de 8 anos, e mais dez pessoas da mesma família – entre elas, oito mulheres.

O ato marchou pelas ruas do centro de cidade entoando palavras de ordem como “Quem ama / Não mata / Não humilha / Não maltrata” e “Vivas nos queremos”, chamando a atenção de quem transitava na região. Através de cartazes e intervenções, as manifestantes demonstraram solidariedade à família de Isamara e também lembraram dados sobre o feminicídio no país, denunciando que, entre 83 países, o Brasil ocupa a 5ª posição no ranking de homicídio de mulheres.

Ao fim da manifestação, nomes de dezenas de mulheres que foram assassinadas apenas nos primeiros cinco dias do 2017 em todo o país, vítimas de feminicídio, foram lembrados em uma homenagem emocionante.

As mulheres de Campinas deram um importante recado à cidade, lugar da chacina e de onde saiu até uma “moção de repúdio” da Câmara de Vereadores a uma questão do Enem por trazer um trecho da filósofa e escritora francesa Simone de Beauvoir: frente ao machismo e à misoginia, não nos calaremos!

Carolina Matos, Campinas

Outros Artigos

1 COMENTÁRIO

  1. mas tem alguma ideologia argumentada pela parte feminista para mudar esse modo machista que existe ou apenas estão tentando ganhar aspaço no grito mesmo?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes