UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

segunda-feira, 5 de dezembro de 2022

Cresce em quase 26% os assassinatos cometidos pela polícia

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulga anualmente os dados relacionados à violência, como número de homicídios, feminicídios, estupro, latrocínio, etc. No último dia 30 de outubro, foram divulgados os dados referentes ao ano de 2016, com dados alarmantes: aumento dos casos de estupro em 3,5% com relação à 2015 (um total de quase 50 mil casos) e aumento dos casos de homicídio em 3,8% com relação à 2015 (um total de 61.619 mortes violentas, ou 7 assassinatos por hora).

Porém, um dos dados mais gritantes foi o aumento no número de assassinatos cometidos por policiais: um crescimento de 25,8%. Foram 4.224 pessoas mortas em decorrência de intervenções de policiais civis e militares, dos quais 99,3% foram homens, 81,8% tinham entre 12 e 29 anos, e 76,2% eram negros. Entre 2009 e 2016 foram 21.897 assassinatos em ações policiais. Verdadeiros números de guerra!

A morte tem cor e classe social

Muitas dessas intervenções policias foram em periferias. E as principais vítimas da polícia tem cor e classe social definida: homens, jovens e negros das favelas.

Cada vez mais aumentam as denúncias de abuso cometido pelos policiais dentro das favelas: arrombamento de imóveis, apreensão de pertences sob justificativa de “mandado de busca coletiva”, revistas vexatórias, fechamento de ruas e becos, impedindo o direito de ir de vir dos moradores, além de abordagens despreparadas que resultam em mortes quase todo os dias.

Menos polícia, mais escola

O que as favelas precisam não é de mais homens armados impondo o medo. As favelas precisam de mais cultura, mais lazer, mais escolas, mais trabalho para seus moradores. As favelas precisam de saneamento básico e estrutura digna para se morar. Mais oportunidade e menos preconceito.

Temos a polícia que mais mata no mundo e não conseguimos reduzir nossos índices de criminalidade. Cada vez fica mais claro que, enquanto não valorizarmos a educação, a cultura e oferecermos oportunidade de emprego digno para a população, não vamos vencer as drogas e a violência. O que mantém a criminalidade é a injustiça social, a concentração de renda nas mãos de poucos, a fome, a falta de esperança. Temos que lutar pelo fim da propriedade privada dos meios de produção, principal causa de toda essa mazela.

Ludmila Outtes, Recife.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes