UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 25 de setembro de 2022

UP: 19 mil assinaturas nos trens do Rio

Os meses de janeiro e fevereiro foram de intenso trabalho para a militância da Unidade Popular (UP) no Rio de Janeiro. Diariamente, equipes de coleta foram aos trens que partem da Central do Brasil para o subúrbio e Baixada Fluminense para conversar com a população sobre os problemas do país, denunciar a retirada de direitos promovida pelo Governo Temer e pelos patrões com as reformas Trabalhista e da Previdência e recolher as assinaturas de apoio para a legalização da UP.

Nesses dois meses, dezenas de milhares de pessoas foram abordadas e mais de 19 mil assinaturas foram recolhidas, superando em mais de quatro mil assinaturas a meta inicialmente estabelecida. “A gente percebe uma revolta muito grande nas pessoas. Parece que elas já vão indignadas pro trabalho, e esse sentimento cresce ainda mais quando elas escutam nossa agitação dentro do trem contra a reforma da Previdência e contra o governo”, explica Hudison Affonso, militante da UJR e destaque nas coletas. “Esse trabalho tem sido muito importante para o desenvolvimento da minha militância. A gente aprende a falar de política com qualquer um, com quem é contra, com quem é a favor, com estudante, com trabalhador, com dona de casa. É muito gratificante”, conclui.

Além do recolhimento de apoiamentos para a legalização da UP, as agitações dentro dos trens também têm aumentado a venda do jornal A Verdade. Ao todo, entre janeiro e fevereiro, foram vendidos mais de 700 jornais. “Quando a gente fala do jornal, as pessoas ficam mais interessadas em assinar a ficha de apoiamento, porque percebem que estamos fazendo um trabalho sério e comprometido com o povo. Muitos, inclusive, perguntam mais sobre quem somos, como nos organizamos e como eles podem participar também”, fala Hudison.

Falta muito pouco para o fim da campanha e toda a energia da militância está voltada para garantir a vitória. Muitos companheiros e companheiras se matricularam em menos disciplinas na universidade para poder ter mais tempo para as coletas, enquanto outros anteciparam as férias no trabalho para dedicar um mês inteiro à UP. E trabalho é o que não falta, pois, além de coletar as assinaturas, é preciso cadastrá-las no site do TSE e entregá-las aos cartórios eleitorais. Mas, sem dúvida, com esse espírito, vai dar UP!

Redação Rio

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes