UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

Minervino de Oliveira, negro, operário, comunista!

13 de maio de 1888. Não há o que comemorar, pois não houve nenhuma libertação dos escravos. Mudou apenas a forma de dominação. Devemos utilizar a data para refletir sobre os caminhos que conduzem à verdadeira libertação.  Nesse sentido, cai bem a experiência relatada a seguir.

Três anos após a abolição, nascia no Rio de janeiro um pretinho, filho de José de Oliveira e Augusta Laura (Sinhá Inácia). De família muito pobre, de origem africana, submetida à recém-finda escravidão, o menino começou a trabalhar com 10 anos de idade. Foi aprendiz de tecelão, depois comerciário, trabalhou em fábricas de vidro e móveis, foi lavrador, carvoeiro, empregado da Light (empresa inglesa, distribuidora de energia elétrica), até escolher a profissão de marmorista, isto aos 14 anos de idade. Portanto, ainda muito jovem, um operário experiente, forjado na labuta de sua classe desde a infância.  Indignava-se com as péssimas condições de trabalho,as altas jornadas, os salários baixos. Aprendeu a dizer “não” e aos 20 anos engajou-se na militância sindical. Nas históricas greves da segunda década do século 20, inclusive na greve geral de 1919, lá estava ele, na linha de frente, mobilizando, articulando, agitando. Conheceu o braço pesado da repressão e suas masmorras, mas não fraquejou. Desenvolveu a consciência de classe. Aprendeu a ler e escrever; além de atuar na base, escrevia para os jornais editados pelos anarquistas, a exemplo de A Voz do Trabalhador e Spartacus, a Voz do Povo, e depois, para o jornal comunista A Classe Operária.

Na Vanguarda da Revolução

Em 1922, nascia o Partido Comunista do Brasil (PCB), num congresso iniciado na cidade do Rio de Janeiro e findo em Niterói, de 25 a 27 de março, inspirado na Revolução bolchevique de 1917, na Rússia. No mesmo ano de sua fundação, eclodia a revolta dos tenentes no Forte de Copacabana, reivindicando o fim da corrupção e liberdades democráticas. O PCB nada tinha a ver com a rebelião, mas pagou a conta. O governo de Artur Bernardes decretou estado de sítio, invadiu a sede do Partido e proibiu seu funcionamento.  No governo de Bernardes, foram quatro anos de ditadura com deportações de operários estrangeiros, prisão, tortura e morte de lideranças operárias nas masmorras policiais. O PCB, entretanto, não morreu. Foi nesse contexto que, Minervino de Oliveira, em vez de fugir da luta, ingressou no Partido. Compreendeu que não bastava a luta de massa; era preciso construir a vanguarda revolucionária. Aceitou o programa do PCB para a Revolução no Brasil, em duas etapas: primeira, a instalação de uma “democracia pequeno-burguesa”; segunda, a “democracia proletária”. Por que não a ditadura do proletariado, perguntou. Explicaram-lhe que o povo brasileiro era revoltado com a ditadura de Artur Bernardes; então, ficava difícil contrapor uma ditadura a outra, mesmo sendo da maioria. Seera da maioria, então caracterizava uma verdadeira democracia, a do proletariado. Concordou.

BOC – Como o comunista revolucionário deve atuar na instituição burguesa

Controlado o Movimento Operário e a revolta tenentista, era tempo de abrir para a democracia burguesa, que é o modo preferido da burguesia governar, embora como farsa, a história mostra bem isso e cobra caro de quem se deixa iludir.   O sucessor, Washington Luís, suspende o estado de sítio. O PCB cria o Bloco Operário para participar do processo eleitoral. Era uma frente de lideranças sindicais e populares, não apenas de comunistas, incluindo também setores médios. A unidade se dá em torno de 13 pontos, entre os quais: solução dos problemas do proletariado, legislação social, combate ao imperialismo, liberdades políticas, voto secreto e obrigatório, moradia, educação, direitos dos militares e das mulheres. Não há referência aos indígenas nem aos negros.  O Movimento Sindical retomou sua organização. Minervino de Oliveiro assumiu a Secretaria da Federação Sindical do Rio de Janeiro. O famoso pintor Di Cavalcanti, militante do PCB, o reconheceu, emocionado, numa reunião do Partido: “...Eu fixava os olhos na figura de Minervino de Oliveira, sentado na minha frente.  Era ele, o moleque Minervino, filho de Sinhá Inácia, lavadeira de minha avó Henriqueta, companheiro de meus primos mais velhos. O magro, alto Minervino ali estava. Via-o com novos olhos, sentindo íntima satisfação”.

A abertura durou pouco. No próprio governo de Washington Luís, em agosto de 1927, foi aprovada a “Lei Celerada”, que pôs novamente o PCB na ilegalidade. O Bloco Operário, entretanto, permaneceu e acrescentou o “C” de Camponês, passando a ser o BOC, que se ampliou com a pequena-burguesia oposicionista, embora não tenha conseguido a inclusão do campesinato. Mesmo na clandestinidade, o PCB tinha hegemonia na frente e imprimia sua linha política.  Nascido no Rio, o BOC se estendeu pelos principais centros urbanos do país, notadamente São Paulo (capital), Santos, Niterói, Petrópolis, Ribeirão Preto e Recife. Acrescentou a questão agrária e indígena no seu programa, mas continuou omisso em relação à questão do racismo.Preparou-se para as eleições municipais de 1928, lançando candidatos à Intendência (atualmente, Câmara de Vereadores). No Rio, foram dois os escolhidos, ambos do PCB: Octávio Brandão, intelectual alagoano, dirigente nacional, e Minervino de Oliveira, responsável pelo trabalho sindical. O Jornal do Partido, A Classe Operária, assegurou que Minervino,“…Se for eleito, será no Conselho Municipal, uma alavanca da luta de classes, um organizador, um educador das massas laboriosas”.   O PCB via o parlamento como espaço para agitação e propaganda junto às massas, não como meio de chegar ao poder por via eleitoral. A campanha não contava com recursos de doadores ricos para ganhar a eleição a qualquer custo. Era feita diretamente nas portas das fabricas,com comícios, panfletagens, atividades culturais, porta a porta nos bairros populares, etc. Minervino não mostrava a cor de sua pele, e sim os calos das suas mãos, dizendo: “..Sou operário, aqui está a prova”.  O processo eleitoral era muito complicado: eleitorado resumido, voto não obrigatório e aberto, fraudes de todo tipo. Eram doze vagas. Octávio Brandão ficou em décimo lugar no primeiro distrito, com 7.650 votos. Minervino, em décimo-terceiro, pelo segundo distrito, com 8.082 votos. Era primeiro suplente, mas tomou posse com morte acidental de um dos eleitos. Foi a estreia do PCB no Parlamento. Pela primeira vez, na história do Brasil, um operário assumia um cargo legislativo.

Mandato Revolucionário

No primeiro discurso feito no Conselho Municipal, Minervino conclamou o proletariado a desenvolver a luta contra a exploração capitalista. Os dois intendentes comunistas saíam das sessões e iam para as fábricas, os bairros populares, apoiavam as greves, organizavam comitês do BOC. Já existia a imunidade parlamentar, que foi totalmente desrespeitada. Ambos passaram várias vezes pelo xadrez e sofreram a agressão policial durante as greves e manifestações públicas, mas nunca recuaram. Ocupavam a Tribuna para denunciar a violência policial e conclamar os operários a enfrentarem a repressão e se manterem firmes na luta. Organicamente, Minervino se mantinha vinculado ao setor sindical e foi eleito em 1929, secretário geral da CGTB – Confederação Geral dos Trabalhadores do Brasil.

Candidato à Presidência da República

De 3 a 5 de novembro, se realiza o I Congresso Nacional do BOC, no Rio de Janeiro, com 30 delegados de 12 estados que aprovou o estabelecimento de uma revolução agrária e anti-imperialista como etapa preliminar da revolução proletária. O Congresso incluiu no seu programa as reivindicações indígenas, mas continuou esquecendo a “questão negra”. Decidiu participar das eleições de 1930 para o Senado,Câmara Federal e Presidência da República. Para o Executivo, escolheu como candidato a presidente Minervino de Oliveira, e como vice o ferroviário Gastão Valentim. O congresso do BOC não foi atacado, mas logo após seu término, o Estado burguês fez questão de marcar presença, prendendo e fichando vários delegados, soltos logo em seguida.

A campanha foi muito difícil. Comícios dissolvidos a pancadas e tiros, material de propaganda apreendido, Minervino preso em várias ocasiões. O slogan era: “Votar no BOC é votar para a Revolução”. Embora tenha dificultado a campanha, sob a acusação de propaganda subversiva, o governo ampliou a oposição, visto que até os jornais da burguesia protestaram, dizendo que os candidatos podiam defender o que quisessem. O povo é que deveria responder nas urnas. No Conselho Municipal, muitos intendentes não comunistas, denunciaram também a violação da imunidade parlamentar no caso das prisões do seu colega Minervino. Os candidatos do BOC tiveram apenas 4 mil votos, mas não esperavam muito mais. Seu objetivo não era eleitoral, propriamente.  Nas eleições, o candidato das oligarquias, Júlio Prestes, venceu com 57,44% dos votos. O da oposição, Getúlio Vargas, 39,09%. Mas a Aliança Liberal (Vargas) não aceitou o resultado, denunciou a fraude e desencadeou o levante armado que resultou na “Revolução de 30”. O PCB e o BOC denunciaram que não houve revolução alguma, e sim uma “quartelada pequeno-burguesa contra o povo para impedir a revolução das massas”. Os conselhos municipais foram fechados, o PCB e o BOC postos na ilegalidade. Prisões,foram centenas. Minervino amargou cem dias de cárcere. Depois disso, não há registro de sua militância nem de sua vida pessoal.

A Polêmica Raça X Classe

O fato de Minervino de Oliveira, embora negro, nunca falar de opressão por conta da sua pele, mas apenas da exploração contra o proletariado, se deve ao entendimento do PCB na época, de que não havia uma “questão negra” no Brasil. Questionado pela Terceira Internacional Comunista, que lançara em 1929 uma resolução sobre o tema (leia A Verdade, nº 200) é que reviu essa posição e intelectuais militantes ou simpatizantes do Partido foram responsáveis por estudos científicos a respeito da questão negra no Brasil, especialmente Clóvis Moura e Florestan Fernandes.

É certo que foi um equívoco do PCB achar que não havia questões específicas dos negros a serem tratadas no seu programa, como incluíra as reivindicações das mulheres e dos indígenas. É certo também que o racismo não advém da cor da pele, mas da escravidão imposta pela expansão capitalista, que dizimou os povos nativos (indígenas), que não serviam adequadamente como mão de obra forçada e transformou seres humanos em mercadoria, promovendo a lamentável diáspora de povos africanos. Sendo assim, é preciso ligar o específico ao geral, como nos ensina a Dialética marxista, caso contrário não haverá transformação e os negros permanecerão eternamente patinando em programas compensatórios de inclusão, que salvam indivíduos, amenizam a exploração geral, mas não põem termo à exploração e ao racismo, que são intrinsecamente ligados.

A verdadeira emancipação dos negros e de todos os explorados, o fim do racismo e de todos os preconceitos somente será possível no socialismo, destruída a base material que permite a reprodução dessas ideias destrutivas. Para isso, é preciso construir a aliança de todos os oprimidos – operários, camponeses, indígenas, negros, mulheres, para a criação do poder popular.

José Levino, historiador

Fonte: Minervino de Oliveira: um negro comunista disputa a Presidência da República do Brasil. Petrônio Domingos, doutor em História pela USP, professor da Universidade Federal de Sergipe. Lua Nova, São Paulo, 2017.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes