UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

domingo, 16 de junho de 2024

32 mulheres são vítimas de violência por dia em Salvador

Todos os dias, somente em Salvador (BA), trinta e duas mulheres sofrem algum tipo de violência. Apesar disso, há na cidade apenas duas delegacias de combate à violência contra a mulher, que receberam apenas nos três primeiros meses deste ano mais de três mil denúncias de agressão.

Segundo a major Denise Santiago, comandante da Ronda Maria da Penha, “não é fácil romper relacionamentos abusivos quando existe dependência cultural. Tem que ser forte para evitar que seja uma falsa ruptura, que ela termine mas volte depois. É bom procurar uma psicóloga, uma amiga que a escute sem ser punitiva. A delegacia é um recurso quando a violência já estiver ferindo, mas não é a única porta de entrada. A denúncia é uma coisa muito particular e pessoal”.

Os dados demonstram quem a mulher baiana sofre com todo tipo de violência. “São de várias espécies, mas as três principais são: lesões corporais, aqueles casos em que as mulheres chegam com lesões visíveis no corpo; ameaças de todos os tipos, inclusive de morte; e as vias de fato, ou seja, do tipo beliscão e empurrão. Tem também os casos de ofensa, mas é em número bem menor”, aponta a delegada Aída Burgos, responsável pela DEAM do bairro de Brotas, na capital. Ainda segundo a delegada, as mulheres que chegam à DEAM têm, na maioria dos casos, entre 25 e 45 anos, e são, em geral, negras.

Para piorar essa realidade cruel em que vivem as mulheres baianas, não existe por parte da prefeitura nenhuma política de atendimento, muito menos campanhas de educação e prevenção à violência, pois consideram isso “investir muito dinheiro”, conforme foi dito pela sub-secretária de políticas para Mulher, Infância e Juventude de Salvador durante reunião com o Movimento de Mulheres Olga Benario.

Gabriela Valentim, Salvador 

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes