UM JORNAL DOS TRABALHADORES NA LUTA PELO SOCIALISMO

quarta-feira, 6 de julho de 2022

A fragilidade do sistema capitalista

FRÁGIL – O sistema capitalista e o governo Bolsonaro são canhões de vidro, são frágeis. (Foto: Adriano Machado/Reuters)
Daniela de Oliveira Paiva

MINAS GERAIS – O sistema capitalista apresenta diariamente enormes fragilidades. Muitas vezes, nós que lutamos contra este sistema somos contestados com frases que apontam a impossibilidade de sua destruição e que um governo popular é puro idealismo. No entanto, a necessidade de uma alternativa popular e a total possibilidade de fazer-se real um governo que represente, de fato, a maioria da sociedade está na ordem do dia.

Temos vários exemplos de descaso com a maioria do nosso povo, que, vale lembrar, é: trabalhadores, mulheres, pobres, negros. Podemos citar grandes acontecimentos: em 2019, o rompimento da barragem em Brumadinho, que foi responsável por diversas mortes, colocando o lucro de uma empresa acima da vida. No início deste ano, também em Minas Gerais, enchentes mataram mais de 55 pessoas e a culpa das mortes foi colocada na chuva, mas sabemos que foi culpa da falta de estrutura básica para os pobres.

Agora, em março, observamos a chegada de um novo vírus, o Covid-19 (coronavírus) ao Brasil e todos os cidadãos receberam a recomendação de não sair de casa pelo bem da saúde individual e nacional. Porém, novamente são os mais pobres que pagam o pato, não podendo estocar comida, tendo que trabalhar, não podendo aderir à quarentena indicada por estudiosos como necessária ou, muitas vezes nem tendo casa para se isolar das aglomerações.

Ao mesmo tempo, o Brasil tem na sua Presidência Jair Bolsonaro, que incentiva seus eleitores a se aglomerarem e, em rede nacional de televisão, desdenhou da pandemia, chamando-a novamente de “gripezinha”. Além disso, Bolsonaro defende a privatização do Sistema Único de Saúde (SUS), colocando a vida dos brasileiros como uma mercadoria, já que o SUS desempenha um papel fundamental na vida da população e têm sido, durante a epidemia do coronavírus, um instrumento indispensável para a saúde de toda a população.

No entanto, é possível percebermos que, mesmo com o grande descaso com povo, é este que é o responsável por movimentar o país. Temos como exemplos a Greve Geral de 2017, movimento contra as reformas das leis trabalhistas, que teve adesão de 40 milhões de pessoas, diminuindo a circulação de capital das grandes empresas, assim como a greve dos caminhoneiros de 2018, que parou o país por nove dias, gerando falta de mantimentos nos mercados, de medicamentos nos hospitais, pouca gasolina nos postos.

No último dia 18 de março, mesmo com a suspensão das manifestações de rua por conta do coronavírus, o povo se organizou para fazer o barulhaço nacional nas próprias janelas de casa em defesa da educação, do SUS e de todos os serviços públicos, a favor da revogação da PEC 95, do teto de gastos, para liberação de investimentos na saúde pública.

Outros Artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias recentes